Idioma:
  Português  
Logotipo
Navegação
ilustração rodapé
Busca Rápida
Use palavras-chave para achar o que procura.
ilustração rodapé
Estatísticas
UO
1 usuários on-line
VO
173 visitantes on-line
VI
2.626.415 visitas
(Ano 2014)
ilustração rodapé
Redes Sociais
redeSocial2
redeSocial1
ilustração rodapé
RSS
RSS
ilustração rodapé
Reações Químicas
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo

Reações Químicas: fenômeno, transformação e representação

Química Nova na Escola, nov. 1995
Apoio: INCT Energia e Ambiente
Edição: Lígia Dávila Bozzi
Coordenação: Guilherme Andrade Marson

Em nossa linguagem cotidiana, fenômeno significa acontecimento extraordinário, não corriqueiro. Dentro do campo científico, fenômeno assume significado oposto: cientistas trabalham cotidianamente com fenômenos ou transformações variadas. E mais: a forma de concebermos o fenômeno científico associa-se diretamente a nossa própria concepção de ciência.

Quando consideramos fenômeno tudo aquilo que acontece na natureza, associamo-nos a uma concepção filosófica que entende o processo de fazer ciência como observar fenômenos, constatar suas regularidades, elaborar experimentos capazes de reproduzi-los, formular hipóteses e concluir leis que descrevam esses fenômenos e/ou teorias que os expliquem. Dentro dessa concepção, denominada genericamente empírico-positivista, a objetividade do cientista é tão maior quanto menor for sua interferência sobre o objeto de estudo, ou seja, quanto maior for a separação sujeito — objeto.

Na ciência contemporânea, essa concepção se modifica radicalmente. Cientistas já não são meros contempladores da natureza, aqueles e aquelas que estudam os fenômenos dados pela natureza. Hoje em dia, cientistas constroem fenômenos que sequer existem naturalmente, transcendendo ao objeto dado. Isso é facilmente constatado na química: químicos produzem substâncias sintéticas com propriedades completamente novas, constroem moléculas com características apropriadas e determinados fins. Esse processo de construção se faz por uma dupla via, instrumental e teórica: há um instrumento mediado a relação do sujeito — objeto e uma teoria capaz de permitir a compreensão do fenômeno e do instrumento.

Analisaremos neste artigo como essa concepção de fenômeno é capaz de nos fazer repensar as tradicionais classificações dos fenômenos físicos e químicos, evidenciando suas limitações, bem como permitindo a melhor compreensão das reações químicas e das formas como as representamos e classificamos.

Reações químicas

Alguns livros didáticos permanecem com uma classificação antiga, distinguindo os fenômenos em reversíveis (físicos) e irreversíveis (químicos). Isso porque os fenômenos físicos são considerados 'superficiais', transformações ligeiras, e os fenômenos químicos 'profundos', transformações mais definitivas.

Essa diferenciação mostra-se equivocada, porque a reversibilidade não é um critério científico de distinção dos diferentes fenômenos. Dobrar uma barra de ferro ou rasgar uma folha de papel, por exemplo, não são atos que impliquem a constituição de novas substâncias e tampouco são reversíveis. Por outro lado, a reação química:



H2 (g) + I2(g)

2HI (g)

castanho

incolor

tem sua reversão com a variação da temperatura facilmente observada, já que é endotérmica.

Outra forma que muitos livros didáticos utilizam para distinguir fenômenos físicos e químicos é a variação de propriedades macroscópicas das substâncias. Também aí podemos encontrar problemas. A vaporização da água e a dissolução de açúcar em água acarretam grandes diferenças nas propriedades macroscópicas e no entanto não costumamos classificar as mudanças de fase e as dissoluções como fenômenos químicos.

Se essas e outras formas de classificação se mostram equivocadas, porque nos predemos a elas? Deixamos de perceber que, mesmo do ponto de vista energético, os limites entre os fenômenos comumente classificados como físicos e químicos não são nada rígidos. Por exemplo, o processo de hidratação do sulfato de cobre, em que há passagem do branco ao azul intenso, é um fenômeno físico ou químico?



CuSO4(s) + 5H2O(l) CuSO4.5H20(s)
branco azul


Além do mais, de maneira geral trabalhamos com processos tradicionalmente classificados tanto como químicos quanto como físicos, muitas vezes acontecendo conjuntamente. Na reação do hidróxido de sódio sólido com ácido clorídrico aquoso há dissolução, reação e hidratação de íons. Em outros processos também ocorrem, paralelamente, mudanças de fase.

Assim sendo, torna-se muito mais importante que os alunos compreendam a multiplicidade de fenômenos com que trabalhamos, sabendo reconhecê-los, descrevê-los e explicá-los com base em modelos científicos, ao invés de se prenderem a classificações mecânicas (o artigo apresentado na seção "Aluno em foco", neste número de Química Nova na Escola, apresenta outros argumentos que reforçam essa conclusão).

Com esses pressupostos, podemos compreender que na ciência contemporânea a reação química não é apenas o fenômeno químico que ocorre naturalmente, produzindo novas substâncias: é também um programa artificial de produção de novas substâncias. O químico pesquisa quais reações serão capazes de produzir substâncias com as propriedades desejadas. E o processo reacional só pode ser compreendido mais claramente se associamos as transformações das substâncias às transformações energéticas, de forma dinâmica, evitando a abordagem mecânica - mero jogo de armar que normalmente conferimos ao ensino das reações através de suas representações: as equações químicas.


Representação das reações químicas: as equações

A equação molecular tem sido ensinada a nossos alunos dos níveis fundamental e médio quase como uma profissão de fé: ela é a base para as usuais classificações das reações em síntese, análise, dupla troca e simples troca (ou deslocamento). Mas por que assim procedemos, se comumente trabalhamos com reações em solução aquosa?

Algumas pistas para responder a essa questão encontramos na origem histórica desse modelo. Em 1812, Berzelius apresenta uma concepção, influenciada pelo mecanicismo newtoniano que visa comparar a força da afinidade química com a força mecânica. Seu objetivo maior era um dia poder expressar as afinidades dos elementos nas substâncias tal como se expressavam forças mecânicas.

Berzelius desenvolve o sistema dualístico dos compostos químicos, tendo por base sua visão de afinidade e sua teoria eletroquímica. A ligação química é concebida como tendo natureza elétrica, e as substâncias são representadas por pares em que uma das partes é eletricamente positiva e a outro eletricamente negativa. Exemplo: Na2SO4 era o Na2O.SO3, cujas unidades podiam ser mais uma vez divididas em componentes eletropositivo e eletronegativo.

Com essa teoria, Berzelius explica claramente as reações de dupla troca


(AB + CD = AD + BC)


ou de deslocamento


(AB + C = CB + A),


nas quais a polaridade elétrica se encontra mais bem neutralizada nos produtos. Como ele estabelecera uma escala de eletropositividade1 das substâncias, a partir de experimentos eletrolíticos, podia-se concluir logicamente quais reações deveriam ocorrer.

Hoje, quando utilizamos as equações químicas e suas respectivas classificações indistintamente para meio aquoso e não-aquoso, estamos simplesmente seguindo Berzelius, sem atentar para desenvolvimentos posteriores de química, como por exemplo a teoria da dissociação eletrolítica de Arrhenius e as teorias da ligação química.

Senão, vejamos: a reação de neutralização do NaOH pelo HCl é considerada de dupla troca, quando em solução aquosa deveria ser considerada como síntese da água, a partir do hidrônio2 e hidroxila. Isso porque a solução aquosa de NaOH é uma solução contendo íons Na+ e OH- dissociados e a solução aquosa de HCl é uma solução contendo íons H3O+ e Cl-. Assim sendo, a reação se da apenas entre hidrônio e hidroxila. Os íons Na+ e Cl- permanecem dissociados.

Da mesma forma, a reação de deslocamento entre o Zn0 e CuSO4 deveria ser considerada uma oxi-redução em solução aquosa, uma troca de elétrons entre o metal zinco e os íons Cu2+, formando Zn2+ e cobre metálico. Os íons sulfato não participam de reação, permanecendo dissociados.

Em resumo, não há 'trocas' ou 'deslocamentos' quando tratamos de íons dissociados em solução aquosa. E mesmo que no nível fundamental não trabalhemos com teorias de dissociação, perde o sentido nos preocuparmos com classificações que não têm utilidade nem na vida prática nem no campo científico.

Com isso, não apenas mantemos nossos alunos com um conhecimento obsoleto, mas dificultamos sua compreensão das espécies iônicas e dos processos de equilíbrio. Por exemplo, quando repetimos o grande erro de muitos livros didáticos ao expressarem equações como:



NaCN + H2O HCN + NaOH

Nesse caso, os livros didáticos levam alunos a pensar nesse processo como sendo uma possibilidade deformação do NaOH. A dissolução em água do cianeto (comumente conhecido como cianureto, veneno letal que origina o gás cianídrico, utilizado nas câmaras de gás para execução de condenados) expressa dessa forma desconsidera que este é a soma de dois processos com extensões diversas:


a dissolução do sal NaCN (tendendo a 100%)


NaCN (s) + H2O (l) Na+ (aq) + CN (aq)



e a protonação3 do cianeto pela água (extensão mínima)


CN(aq) + H2O (l) HCN (aq) + OH (aq)



Considerações finais

Em face das discussões apresentadas acima, percebemos que precisamos nos preocupar menos com certos formalismos que enfatizam as classificações em detrimento do desenvolvimento dos conceitos.

Em seus primeiros contatos coma química, uma aluna ou um aluno precisa compreendê-la como o estudo das reações químicas, reações essas que definem as propriedades químicas das substâncias. É importante, não só para o entendimento da química mas também para a formação do pensamento científico de alunos e de alunas de maneira mais ampla, desenvolvermos a noção de propriedade como fruto de uma relação entre substâncias,como foi discutido no artigo “O mito da substância”, no primeiro número desta revista.

Para tanto, a conceituação de fenômeno, sem considerar classificações limitadas em fenômenos físicos e químicos, permite que encaremos a transformação no sentido mais amplo; não apenas natural, não apenas observável, mas produzida, programada, construída pela via experimental e teórica.

Talvez seja difícil mudar — é assim que fomos ensinados e é assim que pensamos até hoje, mas a clareza racional e a melhor aprendizagem de nossos alunos certamente compensarão as dificuldades iniciais.


Notas

1. Trata-se de um conceito que se diferencia de nossa atual concepção de eletropositividade. Para Berzelius, a eletropositividade era medida a partir de processos eletrolíticos, estando mais próxima do conceito que hoje temos para potencial de eletrodo. Para conhecer com mais detalhes essa escala de eletropositividade de Berzelius, bem como sua teoria eletroquímica, sugerimos a leitura do livro de Rheinboldt, citado na bibliografia.

2. O hidrônio é representado simplificadamente como H3O+, mas o próton atrai mais moléculas de água, podendo formar o H9O4+.

3. Protonar significa receber o próton, o íon hidrogênio (H+), da água ou de outra espécie que atue como ácido de Bronsted-Löwry.

  • Referências
    1. LOPES, ALICE R.C. Livros didáticos: obstáculos ao aprendizado da ciência química. Dissertação (Mestrado em Educação) Rio de Janeiro: IESAE, FGV, 1990.
    2. RHEINBOLDT, H. História da balança e a vida de J.J. Berzelius. São Paulo: Nova Stela/EDUSP 1988.
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo
Login
ilustração rodapé
Tema
82716 visitas
Tema
50893 visitas
Tema
46659 visitas
Tema
42757 visitas
Tema
28512 visitas
Tema
26196 visitas
Tema
26043 visitas
Tema
25071 visitas
Tema
20149 visitas
Tema
18290 visitas
Tema
17754 visitas
Tema
17584 visitas
Tema
17525 visitas
Tema
17348 visitas
Tema
16692 visitas
Tema
15679 visitas
Tema
14970 visitas
Tema
14371 visitas
Tema
10858 visitas
Tema
10682 visitas
Tema
7665 visitas
Tema
7484 visitas
Tema
7416 visitas
Tema
7367 visitas
Tema
7119 visitas
Tema
6976 visitas
Tema
3240 visitas
Tema
2866 visitas
Tema
2804 visitas
Tema
2202 visitas
Tema
1472 visitas
Tema
1144 visitas
Tema
700 visitas
ilustração rodapé
Conceito
66376 visitas
Conceito
61634 visitas
Conceito
45534 visitas
Conceito
43683 visitas
Conceito
41371 visitas
Conceito
32181 visitas
Conceito
31181 visitas
Conceito
30328 visitas
Conceito
24106 visitas
Conceito
22948 visitas
Conceito
22655 visitas
Conceito
21133 visitas
Conceito
15605 visitas
Conceito
15439 visitas
Conceito
14726 visitas
Conceito
14281 visitas
Conceito
13613 visitas
Conceito
13316 visitas
Conceito
13163 visitas
Conceito
12622 visitas
Conceito
12462 visitas
Conceito
11267 visitas
Conceito
9278 visitas
Conceito
9214 visitas
Conceito
8523 visitas
Conceito
7550 visitas
Conceito
6295 visitas
Conceito
5253 visitas
Conceito
3641 visitas
Conceito
3501 visitas
Conceito
2963 visitas
Conceito
2209 visitas
ilustração rodapé
Molécula
7505 visitas
Molécula
6759 visitas
Molécula
6240 visitas
Molécula
6129 visitas
Molécula
5194 visitas
Molécula
5190 visitas
Molécula
4594 visitas
Molécula
4478 visitas
Molécula
4439 visitas
Molécula
4357 visitas
Molécula
3751 visitas
Molécula
3737 visitas
Molécula
3713 visitas
Molécula
3626 visitas
Molécula
3591 visitas
Molécula
3588 visitas
Molécula
3565 visitas
Molécula
3540 visitas
Molécula
3485 visitas
Molécula
3450 visitas
Molécula
3369 visitas
Molécula
3206 visitas
Molécula
3161 visitas
Molécula
3080 visitas
Molécula
3057 visitas
Molécula
3014 visitas
Molécula
2972 visitas
Molécula
2914 visitas
Molécula
2874 visitas
Molécula
2854 visitas
Molécula
2846 visitas
Molécula
2839 visitas
Molécula
2833 visitas
Molécula
2830 visitas
Molécula
2783 visitas
Molécula
2766 visitas
Molécula
2743 visitas
Molécula
2715 visitas
Molécula
2604 visitas
Molécula
2589 visitas
Molécula
2575 visitas
Molécula
2558 visitas
Molécula
2551 visitas
Molécula
2548 visitas
Molécula
2519 visitas
Molécula
2513 visitas
Molécula
2492 visitas
Molécula
2471 visitas
Molécula
2456 visitas
Molécula
2393 visitas
Molécula
2390 visitas
Molécula
2384 visitas
Molécula
2349 visitas
Molécula
2329 visitas
Molécula
2327 visitas
Molécula
2310 visitas
Molécula
2276 visitas
Molécula
2227 visitas
Molécula
2173 visitas
Molécula
2171 visitas
Molécula
2170 visitas
Molécula
2131 visitas
Molécula
2125 visitas
Molécula
2106 visitas
Molécula
2072 visitas
Molécula
2056 visitas
Molécula
2038 visitas
Molécula
2037 visitas
Molécula
2012 visitas
Molécula
2000 visitas
Molécula
1999 visitas
Molécula
1981 visitas
Molécula
1975 visitas
Molécula
1969 visitas
Molécula
1956 visitas
Molécula
1927 visitas
Molécula
1884 visitas
Molécula
1878 visitas
Molécula
1833 visitas
Molécula
1827 visitas
Molécula
1817 visitas
Molécula
1813 visitas
Molécula
1798 visitas
Molécula
1798 visitas
Molécula
1784 visitas
Molécula
1754 visitas
Molécula
1740 visitas
Molécula
1727 visitas
Molécula
1712 visitas
Molécula
1703 visitas
Molécula
1690 visitas
Molécula
1666 visitas
Molécula
1648 visitas
Molécula
1635 visitas
Molécula
1619 visitas
Molécula
1607 visitas
Molécula
1597 visitas
Molécula
1586 visitas
Molécula
1548 visitas
Molécula
1535 visitas
Molécula
1515 visitas
Molécula
1484 visitas
Molécula
1472 visitas
Molécula
1430 visitas
Molécula
1421 visitas
Molécula
1395 visitas
Molécula
1386 visitas
Molécula
1358 visitas
Molécula
1346 visitas
Molécula
1334 visitas
Molécula
1320 visitas
Molécula
1277 visitas
Molécula
1251 visitas
Molécula
1224 visitas
Molécula
1193 visitas
Molécula
1152 visitas
Molécula
1121 visitas
Molécula
729 visitas
Molécula
615 visitas
ilustração rodapé
Sala de Aula
10276 visitas
Sala de Aula
10232 visitas
Sala de Aula
8585 visitas
Sala de Aula
7163 visitas
Sala de Aula
7019 visitas
Sala de Aula
6475 visitas
Sala de Aula
5774 visitas
Sala de Aula
4579 visitas
Sala de Aula
4494 visitas
Sala de Aula
4279 visitas
Sala de Aula
4178 visitas
Sala de Aula
4016 visitas
Sala de Aula
3819 visitas
Sala de Aula
3763 visitas
Sala de Aula
3726 visitas
Sala de Aula
3271 visitas
Sala de Aula
3262 visitas
Sala de Aula
3226 visitas
Sala de Aula
3211 visitas
Sala de Aula
3171 visitas
Sala de Aula
3100 visitas
Sala de Aula
3010 visitas
Sala de Aula
2945 visitas
Sala de Aula
2897 visitas
Sala de Aula
2861 visitas
Sala de Aula
2468 visitas
Sala de Aula
2385 visitas
Sala de Aula
2314 visitas
Sala de Aula
2250 visitas
Sala de Aula
2138 visitas
Sala de Aula
1886 visitas
Sala de Aula
1868 visitas
ilustração rodapé
ilustração rodapé
Materiais Associados
ilustração rodapé
Laboratório de Tecnologia Educacional
Departamento de Bioquímica
Instituto de Biologia - Caixa Postal n° 6109
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
CEP 13083-970, Campinas, SP, Brasil

Política de Privacidade