Idioma:
  Português  
Logotipo
Navegação
ilustração rodapé
Busca Rápida
Use palavras-chave para achar o que procura.
ilustração rodapé
Estatísticas
UO
1 usuários on-line
VO
73 visitantes on-line
VI
2.614.924 visitas
(Ano 2014)
ilustração rodapé
Redes Sociais
redeSocial2
redeSocial1
ilustração rodapé
RSS
RSS
ilustração rodapé
Ácidos Orgânicos
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo

Ácidos Orgânicos: dos Primórdios da Química Experimental à sua Presença em Nosso Cotidiano

Química Nova na Escola, 15, mai. 2002
Apoio: INCT Energia e Ambiente
Edição: Lígia Dávila Bozzi
Coordenação: Guilherme Andrade Marson
Generalidades

Com exceção do ácido clorídrico presente no suco gástrico, os ácidos mais comuns com os quais convivemos são orgânicos, ou seja, aqueles contendo átomos de carbono. Destes, o maior grupo é o dos ácidos carboxílicos, que são os ácidos caracterizados pela presença do grupo funcional (COOH), a carboxila (Snyder, 1995).


A presença do grupo COOH confere aos ácidos carboxílicos, entre outras propriedades, a de serem ácidos fracos em meio aquoso e de apresentarem elevados pontos de ebulição devido à facilidade com que formam interações intermoleculares do tipo ligações de hidrogênio. Estas propriedades para alguns ácidos carboxílicos são apresentadas na Tabela 1 (Solomons, 1996; Harris, 1999).


Tabela 1. Pontos de ebulição, fórmulas moleculares e constantes de dissociação ácida (Ka) de alguns ácidos carboxílicos.
Tabela 1. Pontos de ebulição, fórmulas moleculares e constantes de dissociação ácida (Ka) de alguns ácidos carboxílicos.

Os ácidos carboxílicos têm propriedades organolépticas importantes, tanto que o sabor azedo característico foi o primeiro critério para classificação destes compostos. Os ácidos fórmico (metanóico) e acético (etanóico) têm cheiro intenso, irritante e paladar azedo. Os ácidos de quatro a oito átomos de carbono têm odores desagradáveis. Neste aspecto, os ácidos capróico (hexanóico), caprílico (octanóico) e cáprico (decanóico) são os responsáveis pelo odor pouco social das cabras. Entretanto, em pequenas concentrações, os ácidos carboxílicos são responsáveis por muitas fragrâncias. Os ácidos benzóico, cinâmico (3-fenil-2-propenóico), mirístico (tetradecanóico) e isovalérico (3-metilbutanóico) estão presentes em óleos essenciais, que são óleos voláteis, odoríferos, de origem vegetal (Shreve e Brink, 1980).


A grande sensibilidade olfativa dos cães resulta da capacidade em reconhecer os odores de ácidos carboxílicos. Um cão pode diferenciar uma pessoa da outra porque detecta a composição aproximada da mistura de ácidos carboxílicos de baixa massa molar, produtos do metabolismo humano, que estão presentes em quantidades muito pequenas na pele. Visto que o metabolismo de cada pessoa é um pouco diferente, a composição destes ácidos na pele é, consequentemente, diferente.


Aspectos históricos

A descoberta dos ácidos orgânicos, especialmente os carboxílicos, está intimamente relacionada ao desenvolvimento da química experimental. Neste contexto, Carl Wilhelm Scheele (1742-1786), um notável químico experimental sueco, desempenhou um papel primordial. Dentre os 15 a 20 mil experimentos atribuídos a ele, estão as descobertas de compostos orgânicos de natureza ácida (ácidos carboxílicos e fenóis), como os ácidos tartárico (2,3–dihidróxibutanodióico), málico (2- hidróxibutanodióico), láctico (2-hidró- xipropanóico), oxálico (etanodióico), úrico, gálico (3,4,5-trihidróxibenzóico), cítrico (2-hidroxipropan-1,2,3-tricarboxílico). Scheele fez uso de reações e técnicas que até então estavam intimamente relacionadas com a Química Inorgânica (extrações por solventes, formações de sais, diferenças de solubilidade). Infelizmente, sua contribuição à Química não foi maior porque morreu precocemente aos 44 anos.


Alguns ácidos orgânicos foram descobertos anteriormente aos obtidos por Scheele. Uma atribuição destas descobertas a seus autores é apresentada na Tabela 2.


Tabela 2. Ano de descoberta e/ou isolamento de alguns ácidos orgânicos e seus respectivos “descobridores”.
Tabela 2. Ano de descoberta e/ou isolamento de alguns ácidos orgânicos e seus respectivos “descobridores”.

Em 1843, o químico francês Louis Pasteur, investigando o material cristalino que se depositava nos barris de vinho (“ácido para-tartárico” ou ácido racêmico, do Latim racemus que significa uva), usou uma pinça muito fina para separar dois tipos de cristais de formas muito semelhantes, porém imagens especulares um do outro (Lehninger et al., 1995). Estudos posteriores destes cristais revelaram que estes apresentavam características químicas muito semelhantes às do ácido tartárico; contudo um tipo de cristal desviava a luz polarizada para a esquerda e o outro tipo para a direita. Estas evidências permitiram que Pasteur obtivesse a primeira explicação correta para o fenômeno de isomeria óptica interpretando que, nestes isômeros, os elementos químicos e as proporções em que se combinam são os mesmos, apenas o arranjo dos átomos é diferente.


Com o desenvolvimento de técnicas para a determinação estrutural de substâncias, foi confirmado, em 1951, por meio de estudos de cristalografia de raios X, que os cristais estudados por Pasteur - as formas dextrógira e levógira do ácido tartárico - são imagens especulares uma da outra. Destes fatos históricos, é possível entender a razão de hoje chamarmos uma mistura de iguais concentrações dos isômeros de forma dextrógira e levógira, que não desvia a luz polarizada, de mistura racêmica.


Alguns ácidos orgânicos do nosso cotidiano

Alguns ácidos orgânicos presentes em nosso dia-a-dia e suas respectivas fórmulas são apresentados na Tabela 3; com exceção dos ácidos úrico e pícrico (2,4,6-trinitrofenol), todos são ácidos carboxílicos.


Tabela 3. Fórmulas moleculares e estruturais de alguns ácidos orgânicos presentes no cotidiano.
Tabela 3. Fórmulas moleculares e estruturais de alguns ácidos orgânicos presentes no cotidiano.

Ácido fórmico - causa do ardor das picadas de formiga, é o mais simples dos ácidos carboxílicos. Seu nome origina-se da palavra em Latim para formiga, formica.


Ácido acético - é o principal ingrediente do vinagre. Seu nome deriva do Latim acetum, que significa azedo. Conhecido e usado há tempos pela humanidade, é usado como condimento e conservante de alimentos. A oxidação aeróbica, por bactérias do gênero Acetobacter, do álcool a ácido acético diluído (8%) é um processo antigo, que produz o vinagre, uma solução de ácido acético aromatizada, obtida pela fermentação do vinho, da cidra, do malte ou do álcool diluído (Shreve e Brink, 1980). O ácido acético para uso industrial e em laboratórios é comercializado na forma de ácido acético glacial (~99,5%) assim chamado porque em dias frios se solidifica com aspecto de gelo (P.F. 17 °C).


Ácido acetilsalicílico - conhecido como aspirina e empregado como antipirético e analgésico, é produzido concomitantemente com o ácido acético, pela reação de esterificação do ácido salicílico (2-hidróxibenzóico) com o anidrido acético (Shreve e Brink, 1980). O nome ácido salicílico deriva do Latim e designa a árvore do salgueiro, salix. Os médicos da Grécia Antiga conheciam as propriedades antipiréticas e redutoras da febre, da casca desta árvore. Em 1829, o químico francês Henri Leroux isolou da casca do salgueiro, o composto ativo na forma pura, a salicina, que é uma molécula estruturalmente semelhante à aspirina (Snyder, 1995).


Ácido cítrico - é o responsável pela acidez de frutas cítricas. Para emprego industrial, o ácido cítrico é fabricado pela fermentação aeróbica do açúcar bruto (sacarose) ou açúcar de milho (dextrose) por uma casta especial de Aspergillus niger. Seu maior emprego é como acidulante em bebidas carbonatadas e alimentos. No campo médico, é empregado na fabricação de citratos e de sais efervescentes (Shreve e Brink, 1980).


Ácido oxálico - é um ácido dicarboxílico tóxico e presente em plantas, como espinafre e azedinhas. Embora a ingestão de ácido oxálico puro seja fatal, seu teor na maioria das plantas comestíveis é muito baixo para apresentar um risco sério (Snyder, 1995). É um bom removedor de manchas e ferrugem, sendo usado em várias preparações comerciais de limpeza. Além disso, a grande maioria dos cálculos renais são constituídos pelo oxalato de cálcio monohidratado, um sal de baixa solubilidade derivado deste ácido. Seu nome (do Latim oxalis) resulta do seu primeiro isolamento do trevo azedo (Oxalis acetosella).


Ácido propiônico (propanóico) - é o responsável pelo cheiro característico do queijo suíço (Snyder, 1995). Durante o período principal de maturação deste tipo de queijo, Propionibacterium shermanii e microorganismos similares, convertem ácido lático e lactatos aos ácidos propiônico e acético e a dióxido de carbono. O gás CO2 gerado é responsável pela formação dos “buracos” característicos do queijo suíço.


Ácido butírico (butanóico) - seu nome deriva do Latim butyrum que significa manteiga; fornece um odor peculiar à rancidez da manteiga. É usado na síntese de aromas, em fármacos e em agentes emulsificantes (Parker, 1997).


Ácido lático - é produzido por meio da fermentação bacteriana da lactose, açúcar do leite, pelo Streptococcus lactis. Fabricado industrialmente pela fermentação controlada de hexoses de melaço, milho e leite, é empregado na neutralização da cal, no curtimento de couros, e na indústria alimentícia, como acidulante. O ácido lático também é produzido em nosso próprio corpo. Por exemplo, quando metabolizamos glicose pela atividade muscular anaeróbica, o ácido lático é gerado nos músculos e, então, decomposto (oxidado totalmente) a CO2 e H2O (Lehninger et al., 1995). Com o exercício intenso, o ácido lático é formado mais rapidamente do que pode ser eliminado. Esta acumulação transiente do ácido lático causa sensação de cansaço e de dor muscular.


Ácido sórbico (2,4-hexadienóico) - é encontrado em muitas plantas, e empregado como fungicida, conservante em alimentos e na manufatura de plásticos e lubrificantes (Parker, 1997).


Ácido valérico (ácido pentanóico) - é o responsável pelo aroma do queijo Roquefort. Foi isolado pela primeira vez da raiz de uma valeriana (do Latim valere).


Ácido adípico (hexanodióico) - é um ácido dicarboxílico. Seu nome vem do Latim adipem, que significa “uma gordura”, e reflete a observação de que o ácido adípico é uma das substâncias formadas quando gorduras são oxidadas com ácido nítrico. Sua importância industrial está relacionada com a descoberta do nylon, um polímero de condensação, por Wallace H. Carothers e seus colaboradores, pesquisadores da empresa americana Du Pont. Eles descobriram que pela reação de polimerização de uma mistura do ácido adípico e 1,6-diaminohexano poderiam produzir o nylon (Snyder, 1995; Shreve e Brink, 1980).


Ácido ascórbico - conhecido como vitamina C, tem seu nome químico representando duas de suas propriedades: uma química e outra biológica. Em relação à primeira, é um ácido, embora este não pertença claramente à classe dos ácidos carboxílicos. Sua natureza ácida em solução aquosa deriva da ionização de uma hidroxila de um dos grupos enólicos (pK a = 4,25), como mostrado na Figura 1 (Davies et al., 1991). Adicionalmente, a palavra ascórbico representa seu valor biológico na proteção contra a doença escorbuto, do Latim scorbutus (Lehninger et al., 1995).


Figura 1. Primeira ionização do ácido ascórbico.

Figura 1. Primeira ionização do ácido ascórbico.

Ácidos carboxílicos na indústria

Os ácidos orgânicos são amplamente usados na indústria de alimentos como aditivos. Como agentes de processamento, são adicionados para controlar a alcalinidade de muitos produtos podendo agir como tampões ou simplesmente como agentes neutralizantes. Como conservantes, podem atuar desde agentes antimicrobiais até antioxidantes. Exemplos de ácidos carboxílicos como aditivos em alimentos são apresentados na Tabela 4.


Tabela 4. Aplicações de alguns ácidos carboxílicos e seus sais na indústria alimentícia.
Tabela 4. Aplicações de alguns ácidos carboxílicos e seus sais na indústria alimentícia.

Na indústria de cosméticos, alguns ácidos carboxílicos têm sido usados como constituintes da composição de cremes de rejuvenescimento facial. Embora utilizados há centenas de anos como agentes hidratantes e refrescantes da pele, os alfa-hidroxiácidos passaram recentemente a ser empregados no tratamento contra acne, pele fotoenvelhecida, pigmentação e rugas finas. Este grupo de ácidos, em especial o ácido glicólico (2-hidróxietanóico), age como esfoliante da pele, promovendo sua escamação superficial e ativando mecanismos biológicos que estimulam a renovação e o crescimento celular.


  • Referências
    1. DAVIES, M.B.; AUSTIN, J. e PARTRIDGE, D.A. Vitamin C: in chemistry and biochemistry. Cambridge: Royal Society of Chemistry, 1991. p. 33-35.
    2. PARKER, S.P. (ed.). Dictionary of chemistry. Ed. internacional. Nova Iorque: McGraw-Hill, 1997. p. 59, 363.
    3. HARRIS, D.C. Quantitative chemical analysis. 5ª ed. Nova Iorque: W. H. Freeman, 1999. Appendix G (acid dissociation constants), p. ap15-ap26.
    4. LEHNINGER, A.L.; NELSON, D.L. e COX, M.M. Princípios de Bioquímica. 2ª ed. Trad. A.A. Simões e W.R.N. Lodi. São Paulo: Sarvier, 1995. p. 46-47, 307, 323, 555-556.
    5. SHREVE, R.N. e BRINK Jr., J.A. Indústria de processos químicos. 4ª ed. Trad. H. Macedo. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1980. p. 242, 400, 483-484, 544, 689.
    6. SNYDER, C.H. The extraordinary chemistry of ordinary things. 2ª ed. Nova Iorque: John Wiley & Sons, 1995. p. 242-245, 574-575.
    7. SOLOMONS, T.W.G. Química Orgânica 2. 6ª ed. Trad. H. Macedo. Rio de Janeiro, LTC, 1996. p. 91-96.
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo
Login
ilustração rodapé
Tema
82506 visitas
Tema
50857 visitas
Tema
46581 visitas
Tema
42737 visitas
Tema
28475 visitas
Tema
26132 visitas
Tema
25971 visitas
Tema
24983 visitas
Tema
20097 visitas
Tema
18264 visitas
Tema
17721 visitas
Tema
17514 visitas
Tema
17497 visitas
Tema
17284 visitas
Tema
16642 visitas
Tema
15596 visitas
Tema
14958 visitas
Tema
14343 visitas
Tema
10809 visitas
Tema
10654 visitas
Tema
7635 visitas
Tema
7468 visitas
Tema
7413 visitas
Tema
7303 visitas
Tema
7086 visitas
Tema
6964 visitas
Tema
3229 visitas
Tema
2856 visitas
Tema
2798 visitas
Tema
2185 visitas
Tema
1470 visitas
Tema
1123 visitas
Tema
682 visitas
ilustração rodapé
Conceito
66195 visitas
Conceito
61497 visitas
Conceito
45458 visitas
Conceito
43520 visitas
Conceito
41258 visitas
Conceito
32100 visitas
Conceito
31139 visitas
Conceito
30251 visitas
Conceito
24051 visitas
Conceito
22891 visitas
Conceito
22571 visitas
Conceito
21057 visitas
Conceito
15584 visitas
Conceito
15405 visitas
Conceito
14702 visitas
Conceito
14233 visitas
Conceito
13566 visitas
Conceito
13294 visitas
Conceito
13133 visitas
Conceito
12599 visitas
Conceito
12443 visitas
Conceito
11229 visitas
Conceito
9239 visitas
Conceito
9195 visitas
Conceito
8500 visitas
Conceito
7535 visitas
Conceito
6265 visitas
Conceito
5242 visitas
Conceito
3635 visitas
Conceito
3496 visitas
Conceito
2938 visitas
Conceito
2180 visitas
ilustração rodapé
Molécula
7484 visitas
Molécula
6751 visitas
Molécula
6235 visitas
Molécula
6127 visitas
Molécula
5193 visitas
Molécula
5179 visitas
Molécula
4575 visitas
Molécula
4475 visitas
Molécula
4436 visitas
Molécula
4352 visitas
Molécula
3747 visitas
Molécula
3725 visitas
Molécula
3703 visitas
Molécula
3623 visitas
Molécula
3585 visitas
Molécula
3577 visitas
Molécula
3562 visitas
Molécula
3535 visitas
Molécula
3485 visitas
Molécula
3442 visitas
Molécula
3362 visitas
Molécula
3198 visitas
Molécula
3154 visitas
Molécula
3075 visitas
Molécula
3053 visitas
Molécula
3013 visitas
Molécula
2967 visitas
Molécula
2908 visitas
Molécula
2868 visitas
Molécula
2853 visitas
Molécula
2842 visitas
Molécula
2834 visitas
Molécula
2828 visitas
Molécula
2825 visitas
Molécula
2767 visitas
Molécula
2764 visitas
Molécula
2740 visitas
Molécula
2710 visitas
Molécula
2598 visitas
Molécula
2584 visitas
Molécula
2569 visitas
Molécula
2556 visitas
Molécula
2549 visitas
Molécula
2547 visitas
Molécula
2516 visitas
Molécula
2509 visitas
Molécula
2488 visitas
Molécula
2471 visitas
Molécula
2453 visitas
Molécula
2393 visitas
Molécula
2389 visitas
Molécula
2383 visitas
Molécula
2337 visitas
Molécula
2325 visitas
Molécula
2324 visitas
Molécula
2304 visitas
Molécula
2275 visitas
Molécula
2226 visitas
Molécula
2171 visitas
Molécula
2167 visitas
Molécula
2162 visitas
Molécula
2131 visitas
Molécula
2123 visitas
Molécula
2106 visitas
Molécula
2069 visitas
Molécula
2054 visitas
Molécula
2037 visitas
Molécula
2037 visitas
Molécula
2011 visitas
Molécula
1997 visitas
Molécula
1997 visitas
Molécula
1981 visitas
Molécula
1974 visitas
Molécula
1965 visitas
Molécula
1952 visitas
Molécula
1927 visitas
Molécula
1881 visitas
Molécula
1877 visitas
Molécula
1831 visitas
Molécula
1826 visitas
Molécula
1813 visitas
Molécula
1813 visitas
Molécula
1798 visitas
Molécula
1797 visitas
Molécula
1781 visitas
Molécula
1752 visitas
Molécula
1738 visitas
Molécula
1723 visitas
Molécula
1711 visitas
Molécula
1702 visitas
Molécula
1684 visitas
Molécula
1666 visitas
Molécula
1642 visitas
Molécula
1634 visitas
Molécula
1617 visitas
Molécula
1605 visitas
Molécula
1597 visitas
Molécula
1584 visitas
Molécula
1547 visitas
Molécula
1535 visitas
Molécula
1515 visitas
Molécula
1479 visitas
Molécula
1471 visitas
Molécula
1425 visitas
Molécula
1420 visitas
Molécula
1393 visitas
Molécula
1380 visitas
Molécula
1355 visitas
Molécula
1342 visitas
Molécula
1332 visitas
Molécula
1315 visitas
Molécula
1277 visitas
Molécula
1248 visitas
Molécula
1220 visitas
Molécula
1191 visitas
Molécula
1147 visitas
Molécula
1120 visitas
Molécula
729 visitas
Molécula
615 visitas
ilustração rodapé
Sala de Aula
10265 visitas
Sala de Aula
10230 visitas
Sala de Aula
8576 visitas
Sala de Aula
7157 visitas
Sala de Aula
7015 visitas
Sala de Aula
6467 visitas
Sala de Aula
5770 visitas
Sala de Aula
4562 visitas
Sala de Aula
4473 visitas
Sala de Aula
4278 visitas
Sala de Aula
4172 visitas
Sala de Aula
4012 visitas
Sala de Aula
3818 visitas
Sala de Aula
3754 visitas
Sala de Aula
3723 visitas
Sala de Aula
3268 visitas
Sala de Aula
3258 visitas
Sala de Aula
3222 visitas
Sala de Aula
3208 visitas
Sala de Aula
3167 visitas
Sala de Aula
3095 visitas
Sala de Aula
3001 visitas
Sala de Aula
2942 visitas
Sala de Aula
2892 visitas
Sala de Aula
2852 visitas
Sala de Aula
2462 visitas
Sala de Aula
2383 visitas
Sala de Aula
2308 visitas
Sala de Aula
2229 visitas
Sala de Aula
2134 visitas
Sala de Aula
1881 visitas
Sala de Aula
1866 visitas
ilustração rodapé
ilustração rodapé
Materiais Associados
ilustração rodapé
Laboratório de Tecnologia Educacional
Departamento de Bioquímica
Instituto de Biologia - Caixa Postal n° 6109
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
CEP 13083-970, Campinas, SP, Brasil

Política de Privacidade