Idioma:
  Português  
Logotipo
Navegação
ilustração rodapé
Busca Rápida
Use palavras-chave para achar o que procura.
ilustração rodapé
Estatísticas
UO
0 usuários on-line
VO
147 visitantes on-line
VI
2.838.270 visitas
(Ano 2014)
ilustração rodapé
Redes Sociais
redeSocial2
redeSocial1
ilustração rodapé
RSS
RSS
ilustração rodapé
Energia de Gibbs
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo
Apoio: Sociedade Brasileira de Química
Edição: Talita Marcília De Oliveira Silva
Coordenação: Guilherme Andrade Marson
Figura 1: Sistema e ambiente
Figura 1: Sistema e ambiente

Sistema é aquilo em que se está interessado ao se observar um processo; é aquilo em que se focaliza a atenção. Tudo o que não é o sistema, é chamado de ambiente. A separação entre sistema e ambiente pode ser física ou apenas imaginária.O conjunto, sistema mais ambiente, muitas vezes, é chamado de universo. É necessário que entre sistema e ambiente haja bom contato térmico e mecânico, de modo que possa haver troca de calor entre um e outro e trabalho possa ser realizado, pelo sistema no ambiente ou pelo ambiente sobre o sistema. Um trabalho é realizado por um sistema, por exemplo, se ele se expandir e levantar um peso no ambiente. Um trabalho é realizado sobre um sistema, por exemplo, se uma mola é comprimida nele.

Energia de Gibbs é uma função termodinâmica que permite prever se um processo é espontâneo. Observamos, por exemplo, o desabrochar espontâneo de uma flor. Mas este é um processo bastante complicado e, normalmente, não é estudado como uma só etapa, mas dividido em várias etapas. É um exercício interessante pensar em tudo o que intervém no abrir de uma flor, começando pela luz que vem do Sol.

Mais fácil é pensar na queda de um objeto. Por exemplo, quando uma bola cai, sua energia potencial transforma-se em energia cinética e, quando ela bate no chão, ocorre uma colisão elástica e a energia cinética é novamente transformada em potencial. Só que a bola não alcança a altura original. Parte da energia mecânica (potencial mais cinética) é perdida. Perdida, como? Ouve-se um som quando a bola atinge o solo, o que significa que uma onda sonora se propaga no ambiente. Essa onda carrega parte da energia potencial original da bola. A onda sonora desaparece, sendo sua energia convertida em energia térmica das moléculas do ar. Parte da energia potencial da bola também é transformada em energia térmica das moléculas da própria bola e das moléculas do local em que ela bate. Dessa forma, energia é dissipada no sistema (a bola) e no ambiente (solo e ar). A queda da bola, uma vez liberada, é espontânea.

A dissipação da energia torna os processos espontâneos
Conservação e dissipação de energia
Conservação e dissipação de energia

Pode-se montar um mecanismo em que um objeto, ao cair, aciona uma alavanca, levantando um peso (A e B). Se esse peso também cair, toda a energia inicial do objeto estará dissipada e mais nenhum trabalho poderá ser realizado (C). A energia potencial pode ser convertida na forma de trabalho (A) ou dissipada (C) sem que nenhum trabalho seja realizado.

É importante notar que, num processo espontâneo, energia é dissipada. Ela é conservada, ela não é perdida, mas ela se espalha, transformando-se numa energia menos útil, que não pode mais ser usada para realizar um trabalho. Quando a energia se dissipa, ela se transforma na energia do movimento térmico das moléculas. Essa é uma energia dita degradada por não servir para a realização de trabalho. Pode parecer que, num processo espontâneo, ocorre diminuição de energia. Na queda de um objeto, este diminui sua energia potencial; numa reação química, os produtos têm energia menor que os reagentes. Mas não é essa diminuição de energia que torna um processo espontâneo; é a dissipação da energia.

Sempre que energia pode se dissipar e o processo não é impedido (por exemplo, segurando um objeto, mantendo reagentes separados) ocorre um processo espontâneo. A energia se dissipa tanto no sistema, quanto no ambiente.

A dispersão de energia é quantificada pela Entropia

Para medir ou quantificar a dispersão da energia, foi definida uma grandeza termodinâmica chamada entropia (representada pela letra S). Quando há dispersão de energia, a entropia aumenta. Então, como a entropia final é maior que a inicial, a variação de entropia (ΔS) é positiva. Escreve-se:

ΔS = Sfinal - Sinicial > 0

Como energia é dissipada no sistema e no ambiente, há variação de entropia em ambos, podendo-se calcular a variação de entropia total.

ΔStotal = ΔSsis + ΔSamb

Entropia e Reações Químicas

Em Química, é interessante analisar algumas transformações do ponto de vista da variação de entropia, ou seja, da dissipação de energia.

Caixa de Texto 1
Caixa de Texto 1

Os coeficientes estequiométricos numa equação química podem ser considerados quantidades de matéria (expressas em mols). No caso da combustão do butano, nos reagentes há 1 + 13/2 = 7,5 mols de gás e, nos produtos, 4 + 5 = 9 mols de gás

C4H10(g) + 13/2 O2(g) → 4 CO2(g) + 5 H2O(g) + calor

Como quantidades de gás e volumes de gás, nas mesmas condições de pressão e temperatura, guardam proporções iguais, pode-se dizer também que há 7,5 volumes de gás nos reagentes e 9 volumes nos produtos.

A reação de combustão do butano é exotérmica:

C4H10(g) + 13/2 O2(g) → 4 CO2(g) + 5 H2O(g) + calor

A energia liberada na reação dissipa-se no ambiente, aumentando a entropia deste (ΔSamb > 0). No sistema também ocorre um aumento de entropia (ΔSsis > 0) porque de 7,5 volumes gasosos nos reagentes passa-se a 9 volumes gasosos nos produtos (veja Caixa de Texto 1), o que corresponde a energia mais dispersa nos produtos. Logo, a combustão do butano, uma vez iniciada, é espontânea.

A combustão do acetileno também é exotérmica, o que significa que a energia da reação se dissipa no ambiente:

C2H2(g) + 5/2 O2(g) → 2 CO2(g) + H2O(g) + calor

Porém, no sistema não há dissipação de energia. No sistema ocorre concentração de energia devido à redução de volume gasoso, de 3,5 nos reagentes (1 +2,5) a 3 (1+2) nos produtos.

Portanto, no caso da combustão do acetileno, olhando apenas para o sistema, chegar-se-ia à conclusão de que a reação não é espontânea. Porém, a experiência nos mostra que esta reação é espontânea, o que se deve ao fato de que a energia dissipada no ambiente compensa a energia concentrada no sistema.

O caso da combustão do acetileno nos mostra porque se procurou outra maneira de considerar o balanço entre dissipação e concentração de energia no sistema e no ambiente.

Energia de Gibbs

O caso de reações como a combustão do acetileno ilustra o problema de se usar a entropia para verificar se um processo é espontâneo ou não. É preciso olhar tanto para o sistema quanto para o ambiente. Aí a definição do sistema fica meio sem sentido, já que é preciso levar em conta o todo. Para resolver a questão foi definida uma nova grandeza termodinâmica, chamada energia de Gibbs, representada pela letra G.

A variação da energia de Gibbs (ΔG) é definida, a pressão e temperatura constantes:

ΔG = ΔH - TΔS

A pressão e temperatura constantes, a variação de entalpia (ΔH, o calor envolvido na reação) e a variação de entropia (ΔS, a energia dissipada) se referem apenas ao sistema (não é necessário usar índices (sis), pois fica implícito que tudo diz respeito ao sistema).

Note que a equação acima é, na realidade, a equação anterior reescrita:

ΔStotal = ΔSsis + ΔSamb

ΔG = ΔH - TΔS

A variação de entropia (ΔS) na expressão da energia de Gibbs é a variação de entropia do sistema (ΔSsis).

A variação de entalpia (ΔH) diz respeito à energia dissipada / absorvida na reação e corresponde a ΔSamb. Se a reação dissipa energia no ambiente (exotérmica, ΔH < 0), a entropia do ambiente aumenta, ou seja ΔSamb>0. Se a reação absorve energia do ambiente (endotérmica, ΔH > 0), a entropia do ambiente diminui, isto é ΔSamb<0.

A variação de energia de Gibbs (ΔG) corresponde à variação de entropia total, no sistema e no ambiente, ΔStotal.

Caixa de Texto 2
Caixa de Texto 2

A expressão energia de Gibbs não é perfeitamente correta. A variação de entropia é a medida da dissipação de energia. Quando ocorre uma transformação espontânea, a entropia total (sistema mais ambiente) aumenta. Logo, entropia é criada, ao contrário de energia, que é conservada. Mas energia de Gibbs não é conservada! Se entropia é criada, isto é, aumenta (ΔStotal > 0), energia de Gibbs diminui (ΔG < 0, por conta da troca de sinais nas equações da energia de Gibbs e da entropia total), isto é, desaparece. A energia de Gibbs só tem unidades de energia porque é uma entropia, dada em J × K-1 (joule por kelvin) multiplicada por uma temperatura, mas não é uma energia, porque não é conservada. Essa situação não é nova na Química: densidade e concentração também podem ter as mesmas unidades (por exemplo, g/mL), mas são conceitualmente diferentes.

Na expressão da energia de Gibbs, ΔS, que se refere ao sistema, tem sinal negativo e, na expressão da entropia total, ΔSsis tem sinal positivo. De fato, há uma inversão de sinais nas equações, de modo que, quando a entropia aumenta (ΔStotal > 0), a energia de Gibbs diminui (ΔG < 0 veja Caixa de Texto 2).

Casos possíveis para os sinais de ΔH, ΔS e ΔG

Quatro casos podem ser considerados quanto aos sinais de ΔH e ΔS na expressão da variação da energia de Gibbs:

1) Quando ΔH < 0 (transformação exotérmica, energia se dissipa no ambiente) e ΔS > 0 (energia se dissipa no sistema), tem-se sempre ΔG < 0 e a transformação é sempre espontânea. É o caso da combustão do butano.

2) Quando ΔH > 0 (transformação endotérmica, energia sai do ambiente, provocando uma diminuição de entropia do ambiente) e ΔS < 0 (energia se concentra no sistema), tem-se sempre ΔG > 0 e o processo não é espontâneo no sentido considerado (só será espontâneo no sentido inverso)

3) Quando ΔH < 0 (transformação exotérmica, energia se dissipa no ambiente) e ΔS < 0 (energia se concentra no sistema), ΔG será negativo se o termo ΔH dominar e será positivo, se o termo TΔS dominar. O primeiro é chamado termo entálpico e o segundo, termo entrópico. O termo entrópico poderá ser desprezível a baixas temperaturas, de modo que ΔG < 0 e o processo espontâneo. É o caso da reação de combustão do acetileno. Outro exemplo é a condensação de um gás. Para ocorrer condensação, é preciso tirar energia do gás, energia que se dissipa no ambiente. Por outro lado, devido à diminuição de volume do sistema, ao passar do estado gasoso para o líquido, há uma diminuição de entropia no sistema.

4) Quando ΔH > 0 (transformação endotérmica, diminuição de entropia do ambiente) e ΔS > 0 (energia se dissipa no sistema), ΔG será negativo a altas temperaturas, quando o termo entrópico predominará. A dissolução do cloreto de amônio, NH4Cl, enquadra-se nesse caso. A dissolução é endotérmica (o recipiente se resfria), mas há um grande aumento de entropia no sistema quando os íons do cristal passam para a solução, ganhando maior mobilidade, o que significa energia mais dispersa. Há um decréscimo de entropia devido à solvatação dos íons, mas, no cômputo geral, a entropia do sistema aumenta. Outro exemplo é a fusão. Para esse fenômeno ocorrer, é preciso fornecer energia (processo endotérmico, diminuição de entropia no ambiente), mas, ao se formar o líquido, há dispersão de energia no sistema.

ΔG e equilíbrio químico: no equilíbrio, a energia de Gibbs é mínima

A energia de Gibbs é muito importante no estudo dos equilíbrios químicos. Um sistema sempre tende espontaneamente ao equilíbrio. Se, numa determinada transformação química, a concentração de reagentes for maior do que no equilíbrio, para que este seja alcançado, deverá haver a formação de mais produtos. Logo, a transformação ocorrerá espontaneamente no sentido de formação de produtos, sentido em que haverá, portanto, diminuição de energia de Gibbs (ΔG < 0). Se a concentração de produtos for maior do que no equilíbrio, a transformação ocorrerá espontaneamente no sentido da formação de reagentes, também com diminuição de energia de Gibbs. Dessa forma, no equilíbrio, a energia de Gibbs é mínima.

Caixa de Texto 3
Caixa de Texto 3

Antigamente a energia de Gibbs era chamada de energia livre de Gibbs ou, simplesmente, energia livre. Muitos ainda a chamam assim, mas a IUPAC não aceita mais esse nome. Essa designação obsoleta vem do fato de a variação de energia de Gibbs ser igual ao trabalho útil que o sistema pode realizar.

ΔG = Wu

Trabalho útil (Wu) é todo trabalho que não envolve variação de volume do sistema, podendo ser, por exemplo, trabalho elétrico. A energia livre seria a energia disponível para a realização desse trabalho. No entanto, uma transformação pode ter um ΔG negativo, sendo, dessa forma, espontânea, mas trabalho útil pode não ser realizado. Por exemplo, adicionando-se zinco metálico a uma solução de sulfato de cobre, forma-se cobre metálico e o zinco passa para a solução na forma de íons de zinco. Ocorre uma reação química, mas nenhum trabalho elétrico é realizado. Para isso acontecer, é necessário arrumar o sistema. No caso, isso significa construir uma pilha, montando um eletrodo de cobre, outro de zinco e ligar as soluções iônicas por meio de uma ponte salina e os metais por meio de um circuito externo com um voltímetro. Aí aparece uma corrente elétrica e um trabalho é realizado. Portanto, só em condições especiais ΔG corresponde a um trabalho útil efetivamente realizado. Além disso, a expressão vale apenas em condições de equilíbrio e um sistema em equilíbrio não pode realizar nenhum trabalho, pois não sofre nenhuma alteração macroscópica. Logo ΔG nunca corresponde a um trabalho efetivamente realizado. Por isso a IUPAC passou a falar apenas em energia de Gibbs, abolindo o termo livre.

Prevendo se uma reação química é espontânea: ΔG ou ΔS?

Para se saber se um processo é espontâneo, a energia de Gibbs é mais fácil de aplicar do que a entropia, pois basta concentrar-se no sistema, enquanto a entropia requer que se preste atenção tanto no sistema quanto no ambiente. No entanto, há um movimento de se abandonar a energia de Gibbs e analisar transformações químicas apenas do ponto de vista da entropia. Criou-se a expressão análise de entropia para isso. Ocorre que entropia e energia de Gibbs são grandezas redundantes, além de haver concepções errôneas a respeito desta última (Caixas de Texto 2 e 3).

Entretanto, o mesmo pode ser dito da entropia. Até fins do século passado era comum relacionar-se um aumento de entropia com um aumento de desordem no sistema ou no ambiente. Dava-se o exemplo do baralho de cartas, inicialmente ordenado e depois, embaralhado, atribuindo-se a esse processo "espontâneo" um aumento de entropia. Esse equívoco perdurou por décadas e tem origens históricas. No entanto, a percepção de desordem é um atributo humano, não tendo nada a ver com termodinâmica. Há muitos processos em que a desordem diminui, tanto no sistema, como no ambiente, mas mesmo assim, são espontâneos. O que ocorre é que a energia se dispersa.

ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo
Login
ilustração rodapé
Tema
85821 visitas
Tema
52088 visitas
Tema
47660 visitas
Tema
43227 visitas
Tema
29344 visitas
Tema
27575 visitas
Tema
27095 visitas
Tema
26761 visitas
Tema
21100 visitas
Tema
18953 visitas
Tema
18675 visitas
Tema
18503 visitas
Tema
18317 visitas
Tema
18180 visitas
Tema
17759 visitas
Tema
16666 visitas
Tema
15321 visitas
Tema
14917 visitas
Tema
11604 visitas
Tema
11234 visitas
Tema
8394 visitas
Tema
8246 visitas
Tema
7816 visitas
Tema
7614 visitas
Tema
7534 visitas
Tema
7253 visitas
Tema
3440 visitas
Tema
3093 visitas
Tema
2992 visitas
Tema
2498 visitas
Tema
1581 visitas
Tema
1496 visitas
Tema
1052 visitas
ilustração rodapé
Conceito
69773 visitas
Conceito
64293 visitas
Conceito
47068 visitas
Conceito
45926 visitas
Conceito
43336 visitas
Conceito
33740 visitas
Conceito
32014 visitas
Conceito
31835 visitas
Conceito
25347 visitas
Conceito
24119 visitas
Conceito
23692 visitas
Conceito
22194 visitas
Conceito
15989 visitas
Conceito
15962 visitas
Conceito
15138 visitas
Conceito
14916 visitas
Conceito
14519 visitas
Conceito
13867 visitas
Conceito
13741 visitas
Conceito
12993 visitas
Conceito
12807 visitas
Conceito
11743 visitas
Conceito
10294 visitas
Conceito
9589 visitas
Conceito
8980 visitas
Conceito
7847 visitas
Conceito
6725 visitas
Conceito
5489 visitas
Conceito
3770 visitas
Conceito
3604 visitas
Conceito
3206 visitas
Conceito
2494 visitas
ilustração rodapé
Molécula
7930 visitas
Molécula
7000 visitas
Molécula
6308 visitas
Molécula
6189 visitas
Molécula
5401 visitas
Molécula
5249 visitas
Molécula
4842 visitas
Molécula
4539 visitas
Molécula
4499 visitas
Molécula
4416 visitas
Molécula
3909 visitas
Molécula
3857 visitas
Molécula
3820 visitas
Molécula
3779 visitas
Molécula
3706 visitas
Molécula
3695 visitas
Molécula
3630 visitas
Molécula
3586 visitas
Molécula
3583 visitas
Molécula
3515 visitas
Molécula
3495 visitas
Molécula
3349 visitas
Molécula
3331 visitas
Molécula
3223 visitas
Molécula
3155 visitas
Molécula
3063 visitas
Molécula
3057 visitas
Molécula
3055 visitas
Molécula
2985 visitas
Molécula
2961 visitas
Molécula
2940 visitas
Molécula
2923 visitas
Molécula
2900 visitas
Molécula
2892 visitas
Molécula
2891 visitas
Molécula
2827 visitas
Molécula
2809 visitas
Molécula
2782 visitas
Molécula
2714 visitas
Molécula
2676 visitas
Molécula
2672 visitas
Molécula
2647 visitas
Molécula
2596 visitas
Molécula
2591 visitas
Molécula
2583 visitas
Molécula
2577 visitas
Molécula
2572 visitas
Molécula
2497 visitas
Molécula
2488 visitas
Molécula
2431 visitas
Molécula
2424 visitas
Molécula
2422 visitas
Molécula
2419 visitas
Molécula
2414 visitas
Molécula
2381 visitas
Molécula
2357 visitas
Molécula
2309 visitas
Molécula
2279 visitas
Molécula
2246 visitas
Molécula
2218 visitas
Molécula
2205 visitas
Molécula
2202 visitas
Molécula
2146 visitas
Molécula
2136 visitas
Molécula
2120 visitas
Molécula
2115 visitas
Molécula
2066 visitas
Molécula
2058 visitas
Molécula
2056 visitas
Molécula
2042 visitas
Molécula
2041 visitas
Molécula
2031 visitas
Molécula
2022 visitas
Molécula
2009 visitas
Molécula
1997 visitas
Molécula
1948 visitas
Molécula
1945 visitas
Molécula
1912 visitas
Molécula
1893 visitas
Molécula
1888 visitas
Molécula
1877 visitas
Molécula
1869 visitas
Molécula
1847 visitas
Molécula
1831 visitas
Molécula
1823 visitas
Molécula
1821 visitas
Molécula
1801 visitas
Molécula
1777 visitas
Molécula
1770 visitas
Molécula
1766 visitas
Molécula
1737 visitas
Molécula
1707 visitas
Molécula
1700 visitas
Molécula
1685 visitas
Molécula
1685 visitas
Molécula
1642 visitas
Molécula
1638 visitas
Molécula
1631 visitas
Molécula
1590 visitas
Molécula
1562 visitas
Molécula
1553 visitas
Molécula
1544 visitas
Molécula
1506 visitas
Molécula
1463 visitas
Molécula
1452 visitas
Molécula
1442 visitas
Molécula
1434 visitas
Molécula
1399 visitas
Molécula
1389 visitas
Molécula
1376 visitas
Molécula
1365 visitas
Molécula
1298 visitas
Molécula
1280 visitas
Molécula
1269 visitas
Molécula
1218 visitas
Molécula
1212 visitas
Molécula
1138 visitas
Molécula
736 visitas
Molécula
622 visitas
ilustração rodapé
Sala de Aula
10480 visitas
Sala de Aula
10290 visitas
Sala de Aula
8743 visitas
Sala de Aula
7291 visitas
Sala de Aula
7123 visitas
Sala de Aula
6657 visitas
Sala de Aula
5915 visitas
Sala de Aula
4797 visitas
Sala de Aula
4684 visitas
Sala de Aula
4321 visitas
Sala de Aula
4297 visitas
Sala de Aula
4120 visitas
Sala de Aula
3873 visitas
Sala de Aula
3864 visitas
Sala de Aula
3823 visitas
Sala de Aula
3352 visitas
Sala de Aula
3327 visitas
Sala de Aula
3322 visitas
Sala de Aula
3310 visitas
Sala de Aula
3242 visitas
Sala de Aula
3171 visitas
Sala de Aula
3094 visitas
Sala de Aula
3005 visitas
Sala de Aula
2991 visitas
Sala de Aula
2972 visitas
Sala de Aula
2724 visitas
Sala de Aula
2565 visitas
Sala de Aula
2453 visitas
Sala de Aula
2408 visitas
Sala de Aula
2187 visitas
Sala de Aula
1954 visitas
Sala de Aula
1924 visitas
ilustração rodapé
ilustração rodapé
Materiais Associados
ilustração rodapé
Laboratório de Tecnologia Educacional
Departamento de Bioquímica
Instituto de Biologia - Caixa Postal n° 6109
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
CEP 13083-970, Campinas, SP, Brasil

Política de Privacidade