Idioma:
  Português  
Logotipo
Navegação
ilustração rodapé
Busca Rápida
Use palavras-chave para achar o que procura.
ilustração rodapé
Estatísticas
UO
1 usuários on-line
VO
45 visitantes on-line
VI
958.193 visitas
(Ano 2014)
ilustração rodapé
Redes Sociais
redeSocial2
redeSocial1
ilustração rodapé
RSS
RSS
ilustração rodapé
Metais Pesados
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo

Metais Pesados no Ensino de Química

Originalmente publicado em Química Nova na Escola, v. 3, n. 4, novembro 2011
Apoio: Sociedade Brasileira de Química
Edição: Leila Cardoso Teruya
Coordenação: Guilherme Andrade Marson

Metal pesado é um conceito muito usado em nosso dia a dia, sendo associado como uma substância tóxica, geralmente proveniente de um descarte inadequado de um rejeito no meio ambiente. Levando-se em consideração que a conceituação de metal e questões envolvendo química e meio ambiente são temas abordados no ensino médio, os metais pesados podem se tornar um importante tema contextualizador no ensino de química.

Diante desses fatos, no presente trabalho, realizou-se um estudo sobre esse tema. Inicialmente, foram abordados os diversos aspectos envolvidos na conceituação de metal pesado. Em seguida, buscou-se avaliar a transposição didática desse conceito, realizando uma análise de sua abordagem nos livros didáticos de química na educação básica. Por fim, foram propostas atividades didáticas que propiciaram a articulação entre o tema e os conteúdos programáticos da disciplina.

Conceituando os metais pesados

Ao longo das últimas décadas, diversos pesquisadores e autores reportaram definições para metal pesado. Duffus (2002), em um relatório técnico apresentado à União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC), relatou os resultados de uma extensa revisão bibliográfica sobre as definições de metal pesado. Em relação às propriedades químicas, as principais definições identificadas foram:

- Massa específica: metais pesados apresentam massa específica elevada, sendo maior ou igual a um determinado valor de referência que, em função de cada publicação, varia entre 3,5 e 7,0 g/cm3;

- Massa atômica: metais pesados apresentam elevada massa atômica, sendo o sódio (massa atômica igual a 23) usado como referência;

- Número atômico: metais pesados apresentam elevado número atômico, sendo o cálcio (número atômico igual a 20) usado como referência.

Dentro desses critérios, alguns autores consideram que qualquer tipo de metal pode ser um metal pesado, enquanto outros incluem apenas os metais de transição. ção às propriedades

Além dessas definições principais, outras também foram relatadas em função de outras propriedades, como a capacidade de formar sabões ou definições que datam de antes de 1936 e empregam critérios variados, como o uso em armas de fogo.

Tendo em vista que a massa específica é uma propriedade muito utilizada para definir um metal pesado, na tabela periódica apresentada na Figura 1, são indicados os metais(exceto os transurânicos) em função das faixas de massa específica. Cabe lembrar que a massa específica é uma propriedade periódica que, de uma forma didática, em um grupo, aumenta de cima para baixo e, em um período, aumenta das extremidades para o centro.

Além das propriedades químicas utilizadas nessas definições, outros autores destacam aspectos importantes a serem considerados na conceituação de metal pesado. Hawkes (1997) observou que, além da elevada massa específica, existiam outras propriedades importantes para a sua definição: a formação de sulfetos e hidróxidos insolúveis, a formação de sais que geram soluções aquosas coloridas e a formação de complexos coloridos. Cabe destacar que a principal técnica de remoção de metais no tratamento de efluentes industriais é a precipitação, geralmente com a elevação do pH e a formação de hidróxidos insolúveis. De forma geral, para a maioria dessas classificações, o conceito metal pesado está associado com propriedades químicas que não expressam seu potencial tóxico.

Em sua revisão bibliográfica, Duffus (2002) constatou que, nas últimas décadas, o conceito metal pesado tem sido usado em várias publicações e legislações como um grupo de metais e semimetais associados com contaminações e potencial toxicidade e ecotoxidade. Entretanto, ao analisar os elementos listados como metais pesados, o autor constatou que existem diferenças em relação aos textos, o que representa uma incerteza em torno do uso desse conceito. Essa incerteza é um reflexo da evolução do entendimento e do refinamento desse conceito, tendo em vista que, ao longo do tempo, novos critérios foram sendo incorporados.

Os impactos ao ambiente e à saúde humana decorrentes do descarte de metais fizeram com que fatores ambientais e toxicológicos fossem associados à definição de metal pesado. Esses argumentos indicaram a necessidade de uma articulação multi/interdisciplinar de conceitos para melhor descrever a atual compreensão dos metais pesados. A toxicologia é a ciência que estuda os efeitos nocivos das interações das substâncias com os seres vivos (Moraes et al., 1991). Com o estudo da toxicologia, constatou-se que cada metal pode vir a apresentar um efeito toxicológico específico sobre determinado ser vivo. Além disso, outros fatores, como biodisponibilidade e espécie química, influenciam na toxidade de um elemento químico (Valls e Lorenzo, 2002).

Espécies químicas e biodisponibilidade dos metais

Um fator que afeta significativamente a toxicidade de um metal é sua espécie, que consiste na forma química na qual esse elemento se encontra. Em um estudo sobre os efeitos de um metal ao ambiente ou à saúde humana, a determinação de sua concentração total é um parâmetro importante, porém limitado, pois as propriedades variarão em função da forma química em que o elemento está presente. Na avaliação dos riscos que envolvem a presença de um determinado metal, é fundamental levar em consideração a forma de transporte e a biodisponibilidade, fatores que dependerão de sua espécie (Barra et al., 2000).

A biodisponibilidade de um elemento químico corresponde à medida do potencial que este tem para ser absorvido pelos seres vivos (Guimarães e Sígolo, 2008). A biodisponibilidade é um parâmetro diretamente associado com a espécie do elemento químico. A acumulação de metais nos organismos depende diretamente da fração de metais biodisponíveis no meio. Pode-se encontrar um metal em diferentes compartimentos de um ecossistema, mas em função da forma química como ele está presente, tem-se uma maior ou menor absorção por parte da biota.

Em corpos d’água, a toxicidade de um metal em água varia em função do pH e dos teores de carbono dissolvidos e em suspensão, visto que os metais interagem com o carbono e seus compostos, formando complexos ou sendo adsorvidos (Baird, 2002).

A forma mais tóxica de um metal não é a livre, mas quando este se encontra como cátion ou ligado a cadeias carbônicas. Nos organismos, o principal mecanismo de ação tóxica dos metais decorre de sua afinidade pelo enxofre. Assim, quando presentes em suas formas catiônicas, os metais reagem com o radical sulfidrila (-SH) presente na estrutura proteica das enzimas, alterando suas propriedades, o que pode resultar em consequências danosas ao metabolismo dos seres vivos (Baird, 2002).

Como exemplo, tem-se as espécies químicas de mercúrio. Sua principal espécie catiônica (Hg2+) está associada às partículas em suspensão que se depositarão em sedimentos nos corpos d’água. Nos sedimentos, micro-organismos convertem esse cátion em dimetilmercúrio, Hg(CH3)2, o qual, em função do pH do meio, é convertido em metilmercúrio, HgCH3. Em função de sua lipossolubilidade em ambientes aquáticos, ao passar pelas brânquias dos peixes, o metilmercúrio se difunde e acumula no tecido adiposo, em um fenômeno conhecido por bioconcentração. No interior do organismo, o metilmercúrio exercerá sua ação tóxica, interagindo com os grupos sulfidrila das enzimas.

De forma análoga ao mercúrio, outros metais pesados têm suas formas mais tóxicas quando ligados a grupamentos carbônicos. Outro exemplo é o tetrametilchumbo, Pb(CH3)4, um composto orgânico que já foi muito usado como aditivo da gasolina, mas em função de sua elevada toxidade, deixou de ser utilizado (Moreira e Moreira, 2004).

Impactos causados pelo descarte de metais pesados no meio ambiente

Os metais desempenham funções importantes no metabolismo dos seres vivos. Suas propriedades demonstram-se fundamentais na manutenção da estrutura tridimensional de biomoléculas essenciais ao metabolismo celular. No entanto, enquanto alguns metais são necessários em quantidades mínimas para os seres vivos, outros não apresentam função biológica relevante, podendo causar danos ao metabolismo (Valls e Lorenzo, 2002).

Na Figura 2, é esquematizada a influência da concentração de um metal sobre o desenvolvimento de um ser vivo. Na Figura 2a, tem-se um metal essencial ao organismo, para o qual, inicialmente, o aumento da concentração acarreta melhoria em seu desenvolvimento, que passa de deficiente para ótimo. Entretanto, acima de uma faixa de concentração ótima, o metal passa a exercer uma ação tóxica sobre o desenvolvimento do ser vivo, sendo que há um limite de concentração, acima do qual o metal é letal. Na Figura 2b, tem-se um metal não essencial ao organismo. Para este, há uma faixa de concentração em que o organismo tolera sua presença. Novamente, acima de determinados limites de concentração, este se torna tóxico e, em seguida, letal. É importante destacar que a essencialidade não é característica única dos metais, ocorrendo com outros elementos químicos.

Figura 2. Comportamento de metais no organismo: (a) essencial e (b) não essencial.

Figura 2. Comportamento de metais no organismo: (a) essencial e (b) não essencial.

Para o ser humano, existem 14 metais essenciais: cálcio, potássio, sódio, magnésio, ferro, zinco, cobre, estanho, vanádio, cromo, manganês, molibdênio, cobalto e níquel (Emsley, 2001). Dessa relação, pode-se constatar que até alguns metais considerados tóxicos em concentrações elevadas, como zinco, cobre, cromo e níquel, são fundamentais ao meta- bolismo em baixas concentrações.

A presença de um metal em um corpo d’água pode afetar os seres que ali habitam de duas formas básicas: pode ser tóxico ao organismo ou pode ser bioacumulado, tendo seu efeito potencializado ao longo da cadeia alimentar. A biomagnificação 1 ou amplificação biológica consiste no aumento progressivo da concentração do metal à medida que se avança na cadeia alimentar. A biomagnificação decorre dos seguintes fatores: a necessidade de um grande número de seres do nível trófico anterior para alimentar um ser do nível trófico posterior e o contaminante não é metabolizável, mas é lipossolúvel, acumulando-se nos tecidos gordurosos dos seres vivos. Em função desse processo, mesmo um descarte de um metal em concentração reduzida pode trazer dano a um ecossistema (Braga et al., 2002).

Um evento marcante em termos de contaminação por metais pesados e que exemplifica a biomagnificação foi registrado na década de 1950 na Baía de Minamata (Japão). Nesse local, o contínuo descarte de resíduos contendo mercúrio contaminou os peixes e, em consequência, milhares de pessoas que se alimentavam desses peixes (Baird, 2002).

Os metais podem ser encontrados em despejos de diferentes tipos de indústrias, como mineradoras, galvanoplastia, curtumes e manufaturas de produtos eletrônicos. Em relação aos metais, na Tabela 1, são apresentados os limites estabelecidos pela legislação brasileira para o descarte de efluentes e de potabilidade de água para consumo humano. Apesar dos efeitos tóxicos diferirem em relação às espécies de um metal, a legislação faz menção apenas à concentração total de cada metal.

Como se pode constatar, a legislação não se aplica a todos os metais conhecidos, mas apenas àqueles que são comumente encontrados em águas naturais ou residuárias e que podem acarretar riscos à saúde e ao meio ambiente. Analisando a tabela, observa-se que o mercúrio é o metal que apresenta a maior toxidade, visto que tem as menores concentrações limites, tanto para descarte quanto para potabilidade: 001 e 0001 mg/L, respectivamente. Já o sódio é o de menor toxidade, não havendo limite para descarte em efluentes e sua concentração máxima permitida em água potável chega a 200 mg/L.

Nota

Originalmente, o artigo também apresenta uma análise do conceito metal pesado em livros didáticos e faz considerações a respeito desse assunto como tema contextualizador no ensino de química.

  • Referências
    1. BAIRD, C. Química ambiental. Trad. M.A.L. Recio e L.C.M. Carrera. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.
    2. BARRA, C.M. et al. Especiação de arsênio – uma revisão. Química Nova, v. 23, n. 1, p. 58-70, 2000.
    3. BRAGA, B. Introdução à engenharia ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2002.
    4. BRASIL. Ministério da Educação. Portaria no 366 de 31 de janeiro de 2006. Diário Oficial da União. Seção 1. ed. 23. Imprensa Nacional. Brasília. 01 de fevereiro de 2006.
    5. ______. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio - PNLEM.
    6. ______. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Guia de livros didáticos : PNLD 2012 : Química.
    7. ______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria no. 518: Controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2004.
    8. ______. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA no. 357: Classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e outras providências. Brasília, mar. 2005.
    9. CARNEIRO, M.H.S. A inovação do livro didático de ciências e a visão dos professores: análise da visão dos professores de um livro didático de química inovador. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 4, 2003. Atas..., Bauru, 2003.
    10. CASSAB, M. e MARTINS, I. A escolha do livro didático em questão. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 4, 2003. Atas..., Bauru, 2003.
    11. DUFFUS, J.H. Heavy metals - A meaningless term? Pure and Applied Chemistry. v. 74, n. 5, p. 793-807, 2002.
    12. EMSLEY, J. Moléculas em exposição: o fantástico mundo das substâncias e dos materiais que fazem parte de nosso dia a dia. São Paulo: Edgar Blücher, 2001.
    13. HAWKES, S.J. What is a heavy metal? Journal of Chemical Education, v. 74, n. 11, p. 1374, 1997.
    14. GUIMARÃES, V. e SÍGOLO, J.B. Detecção de contaminantes em espécie bioindicadora (Corbicula fluminea) – Rio Ribeira de Iguape – SP Química Nova, v. 15, n. 3, p. 254-261, 1992.
    15. LOGUERCIO, R.Q.; SAMRSLA, V.E.E. e DEL PINO, J.C. A dinâmica de analisar livros didáticos com os professores de química. Química Nova, v. 24, n. 4, p. 557-562, 2001.
    16. LOPES, A.R.C. Livros didáticos: obstáculos ao aprendizado da ciência química. I. Obstáculos animistas e realistas. Química Nova, v. 15, n. 3, p. 254-261, 1992.
    17. LUTFI, M. Cotidiano e educação em química. Ijuí: Unijuí, 1988.
    18. MILAGRES, V.S.O. e JUSTI, R.S. Modelos de ensino de equilíbrio químico – Algumas considerações sobre o que tem sido apresentado em livros didáticos no ensino médio. Química Nova na Escola, n. 13, p. 41-46, 2001.
    19. MORAES, E.C.F.; SZNELWAR, R.B. e FERNÍCOLA, N.A.G.G. Manual de toxicologia analítica. São Paulo: Roca, 1991.
    20. MOREIRA, F.R. e MOREIRA, J.C. A importância da análise de especiação do chumbo em plasma para avaliação dos riscos à saúde. Química Nova, v. 27, n. 2, p. 251-260, 2004.
    21. MORTIMER, E.F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n. 1, p. 20-39, 1996.
    22. SANTOS, S.M.O. e MÓL, G.S. Critérios para a avaliação de livros didáticos de química para o ensino médio. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 5, 2005. Atas..., Bauru, 2005.
    23. SCHNETZLER, R.P. Um estudo sobre o tratamento do conhecimento químico em livros didáticos brasileiros dirigidos ao ensino secundário de química de 1875 a 1978. Química Nova, v. 4, n. 1, p. 6-15, 1981.
    24. VALLS, M. e LORENZO, V. Exploiting the genetic and biochemical capacities of bacteria for remediation of heavy metal pollution. FEMS Microbiology Reviews, v. 26, p. 327-338, 2002.
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo
Login
ilustração rodapé
Tema
66906 visitas
Tema
43653 visitas
Tema
40950 visitas
Tema
40458 visitas
Tema
24557 visitas
Tema
22325 visitas
Tema
18398 visitas
Tema
17555 visitas
Tema
15486 visitas
Tema
15372 visitas
Tema
14925 visitas
Tema
14732 visitas
Tema
13460 visitas
Tema
13186 visitas
Tema
13083 visitas
Tema
12839 visitas
Tema
12110 visitas
Tema
10806 visitas
Tema
8336 visitas
Tema
8018 visitas
Tema
6548 visitas
Tema
6116 visitas
Tema
5753 visitas
Tema
5210 visitas
Tema
4491 visitas
Tema
3933 visitas
Tema
2144 visitas
Tema
2011 visitas
Tema
1553 visitas
Tema
976 visitas
Tema
635 visitas
ilustração rodapé
Conceito
48811 visitas
Conceito
48358 visitas
Conceito
39653 visitas
Conceito
34317 visitas
Conceito
31591 visitas
Conceito
26815 visitas
Conceito
25352 visitas
Conceito
23547 visitas
Conceito
19265 visitas
Conceito
18474 visitas
Conceito
15505 visitas
Conceito
15497 visitas
Conceito
13438 visitas
Conceito
12940 visitas
Conceito
12743 visitas
Conceito
11603 visitas
Conceito
10659 visitas
Conceito
10648 visitas
Conceito
10238 visitas
Conceito
10163 visitas
Conceito
10148 visitas
Conceito
9171 visitas
Conceito
6502 visitas
Conceito
5983 visitas
Conceito
5936 visitas
Conceito
4581 visitas
Conceito
4233 visitas
Conceito
4211 visitas
Conceito
2903 visitas
Conceito
2871 visitas
Conceito
1185 visitas
Conceito
816 visitas
ilustração rodapé
Molécula
5755 visitas
Molécula
5740 visitas
Molécula
5621 visitas
Molécula
5448 visitas
Molécula
4814 visitas
Molécula
4134 visitas
Molécula
4055 visitas
Molécula
4018 visitas
Molécula
3984 visitas
Molécula
3515 visitas
Molécula
3121 visitas
Molécula
3082 visitas
Molécula
3078 visitas
Molécula
3077 visitas
Molécula
3056 visitas
Molécula
3017 visitas
Molécula
2884 visitas
Molécula
2837 visitas
Molécula
2715 visitas
Molécula
2674 visitas
Molécula
2649 visitas
Molécula
2559 visitas
Molécula
2502 visitas
Molécula
2488 visitas
Molécula
2470 visitas
Molécula
2442 visitas
Molécula
2428 visitas
Molécula
2349 visitas
Molécula
2338 visitas
Molécula
2328 visitas
Molécula
2307 visitas
Molécula
2301 visitas
Molécula
2268 visitas
Molécula
2268 visitas
Molécula
2261 visitas
Molécula
2253 visitas
Molécula
2252 visitas
Molécula
2191 visitas
Molécula
2169 visitas
Molécula
2165 visitas
Molécula
2153 visitas
Molécula
2132 visitas
Molécula
2106 visitas
Molécula
2101 visitas
Molécula
2101 visitas
Molécula
2097 visitas
Molécula
2090 visitas
Molécula
2072 visitas
Molécula
2050 visitas
Molécula
2048 visitas
Molécula
2045 visitas
Molécula
1978 visitas
Molécula
1964 visitas
Molécula
1946 visitas
Molécula
1918 visitas
Molécula
1916 visitas
Molécula
1913 visitas
Molécula
1872 visitas
Molécula
1855 visitas
Molécula
1820 visitas
Molécula
1797 visitas
Molécula
1790 visitas
Molécula
1787 visitas
Molécula
1753 visitas
Molécula
1730 visitas
Molécula
1704 visitas
Molécula
1686 visitas
Molécula
1683 visitas
Molécula
1673 visitas
Molécula
1659 visitas
Molécula
1655 visitas
Molécula
1636 visitas
Molécula
1634 visitas
Molécula
1614 visitas
Molécula
1609 visitas
Molécula
1609 visitas
Molécula
1575 visitas
Molécula
1562 visitas
Molécula
1514 visitas
Molécula
1511 visitas
Molécula
1499 visitas
Molécula
1489 visitas
Molécula
1480 visitas
Molécula
1477 visitas
Molécula
1472 visitas
Molécula
1466 visitas
Molécula
1461 visitas
Molécula
1456 visitas
Molécula
1432 visitas
Molécula
1424 visitas
Molécula
1400 visitas
Molécula
1371 visitas
Molécula
1349 visitas
Molécula
1310 visitas
Molécula
1295 visitas
Molécula
1288 visitas
Molécula
1247 visitas
Molécula
1238 visitas
Molécula
1224 visitas
Molécula
1218 visitas
Molécula
1217 visitas
Molécula
1215 visitas
Molécula
1211 visitas
Molécula
1155 visitas
Molécula
1136 visitas
Molécula
1126 visitas
Molécula
1105 visitas
Molécula
1091 visitas
Molécula
1079 visitas
Molécula
1051 visitas
Molécula
1049 visitas
Molécula
1033 visitas
Molécula
1026 visitas
Molécula
1010 visitas
Molécula
959 visitas
Molécula
956 visitas
Molécula
900 visitas
Molécula
601 visitas
Molécula
511 visitas
ilustração rodapé
Sala de Aula
9151 visitas
Sala de Aula
8598 visitas
Sala de Aula
7633 visitas
Sala de Aula
6471 visitas
Sala de Aula
6446 visitas
Sala de Aula
5579 visitas
Sala de Aula
4462 visitas
Sala de Aula
3611 visitas
Sala de Aula
3582 visitas
Sala de Aula
3554 visitas
Sala de Aula
3467 visitas
Sala de Aula
3318 visitas
Sala de Aula
3194 visitas
Sala de Aula
3165 visitas
Sala de Aula
2963 visitas
Sala de Aula
2963 visitas
Sala de Aula
2770 visitas
Sala de Aula
2725 visitas
Sala de Aula
2684 visitas
Sala de Aula
2670 visitas
Sala de Aula
2651 visitas
Sala de Aula
2515 visitas
Sala de Aula
2473 visitas
Sala de Aula
2298 visitas
Sala de Aula
2215 visitas
Sala de Aula
2044 visitas
Sala de Aula
1970 visitas
Sala de Aula
1803 visitas
Sala de Aula
1751 visitas
Sala de Aula
1475 visitas
Sala de Aula
1467 visitas
ilustração rodapé
ilustração rodapé
Materiais Associados
ilustração rodapé
Laboratório de Tecnologia Educacional
Departamento de Bioquímica
Instituto de Biologia - Caixa Postal n° 6109
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
CEP 13083-970, Campinas, SP, Brasil

Política de Privacidade