Idioma:
  Português  
Logotipo
Navegação
ilustração rodapé
Busca Rápida
Use palavras-chave para achar o que procura.
ilustração rodapé
Estatísticas
UO
0 usuários on-line
VO
181 visitantes on-line
VI
1.004.924 visitas
(Ano 2014)
ilustração rodapé
Redes Sociais
redeSocial2
redeSocial1
ilustração rodapé
RSS
RSS
ilustração rodapé
Metais Pesados
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo

Metais Pesados no Ensino de Química

Originalmente publicado em Química Nova na Escola, v. 3, n. 4, novembro 2011
Apoio: Sociedade Brasileira de Química
Edição: Leila Cardoso Teruya
Coordenação: Guilherme Andrade Marson

Metal pesado é um conceito muito usado em nosso dia a dia, sendo associado como uma substância tóxica, geralmente proveniente de um descarte inadequado de um rejeito no meio ambiente. Levando-se em consideração que a conceituação de metal e questões envolvendo química e meio ambiente são temas abordados no ensino médio, os metais pesados podem se tornar um importante tema contextualizador no ensino de química.

Diante desses fatos, no presente trabalho, realizou-se um estudo sobre esse tema. Inicialmente, foram abordados os diversos aspectos envolvidos na conceituação de metal pesado. Em seguida, buscou-se avaliar a transposição didática desse conceito, realizando uma análise de sua abordagem nos livros didáticos de química na educação básica. Por fim, foram propostas atividades didáticas que propiciaram a articulação entre o tema e os conteúdos programáticos da disciplina.

Conceituando os metais pesados

Ao longo das últimas décadas, diversos pesquisadores e autores reportaram definições para metal pesado. Duffus (2002), em um relatório técnico apresentado à União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC), relatou os resultados de uma extensa revisão bibliográfica sobre as definições de metal pesado. Em relação às propriedades químicas, as principais definições identificadas foram:

- Massa específica: metais pesados apresentam massa específica elevada, sendo maior ou igual a um determinado valor de referência que, em função de cada publicação, varia entre 3,5 e 7,0 g/cm3;

- Massa atômica: metais pesados apresentam elevada massa atômica, sendo o sódio (massa atômica igual a 23) usado como referência;

- Número atômico: metais pesados apresentam elevado número atômico, sendo o cálcio (número atômico igual a 20) usado como referência.

Dentro desses critérios, alguns autores consideram que qualquer tipo de metal pode ser um metal pesado, enquanto outros incluem apenas os metais de transição. ção às propriedades

Além dessas definições principais, outras também foram relatadas em função de outras propriedades, como a capacidade de formar sabões ou definições que datam de antes de 1936 e empregam critérios variados, como o uso em armas de fogo.

Tendo em vista que a massa específica é uma propriedade muito utilizada para definir um metal pesado, na tabela periódica apresentada na Figura 1, são indicados os metais(exceto os transurânicos) em função das faixas de massa específica. Cabe lembrar que a massa específica é uma propriedade periódica que, de uma forma didática, em um grupo, aumenta de cima para baixo e, em um período, aumenta das extremidades para o centro.

Além das propriedades químicas utilizadas nessas definições, outros autores destacam aspectos importantes a serem considerados na conceituação de metal pesado. Hawkes (1997) observou que, além da elevada massa específica, existiam outras propriedades importantes para a sua definição: a formação de sulfetos e hidróxidos insolúveis, a formação de sais que geram soluções aquosas coloridas e a formação de complexos coloridos. Cabe destacar que a principal técnica de remoção de metais no tratamento de efluentes industriais é a precipitação, geralmente com a elevação do pH e a formação de hidróxidos insolúveis. De forma geral, para a maioria dessas classificações, o conceito metal pesado está associado com propriedades químicas que não expressam seu potencial tóxico.

Em sua revisão bibliográfica, Duffus (2002) constatou que, nas últimas décadas, o conceito metal pesado tem sido usado em várias publicações e legislações como um grupo de metais e semimetais associados com contaminações e potencial toxicidade e ecotoxidade. Entretanto, ao analisar os elementos listados como metais pesados, o autor constatou que existem diferenças em relação aos textos, o que representa uma incerteza em torno do uso desse conceito. Essa incerteza é um reflexo da evolução do entendimento e do refinamento desse conceito, tendo em vista que, ao longo do tempo, novos critérios foram sendo incorporados.

Os impactos ao ambiente e à saúde humana decorrentes do descarte de metais fizeram com que fatores ambientais e toxicológicos fossem associados à definição de metal pesado. Esses argumentos indicaram a necessidade de uma articulação multi/interdisciplinar de conceitos para melhor descrever a atual compreensão dos metais pesados. A toxicologia é a ciência que estuda os efeitos nocivos das interações das substâncias com os seres vivos (Moraes et al., 1991). Com o estudo da toxicologia, constatou-se que cada metal pode vir a apresentar um efeito toxicológico específico sobre determinado ser vivo. Além disso, outros fatores, como biodisponibilidade e espécie química, influenciam na toxidade de um elemento químico (Valls e Lorenzo, 2002).

Espécies químicas e biodisponibilidade dos metais

Um fator que afeta significativamente a toxicidade de um metal é sua espécie, que consiste na forma química na qual esse elemento se encontra. Em um estudo sobre os efeitos de um metal ao ambiente ou à saúde humana, a determinação de sua concentração total é um parâmetro importante, porém limitado, pois as propriedades variarão em função da forma química em que o elemento está presente. Na avaliação dos riscos que envolvem a presença de um determinado metal, é fundamental levar em consideração a forma de transporte e a biodisponibilidade, fatores que dependerão de sua espécie (Barra et al., 2000).

A biodisponibilidade de um elemento químico corresponde à medida do potencial que este tem para ser absorvido pelos seres vivos (Guimarães e Sígolo, 2008). A biodisponibilidade é um parâmetro diretamente associado com a espécie do elemento químico. A acumulação de metais nos organismos depende diretamente da fração de metais biodisponíveis no meio. Pode-se encontrar um metal em diferentes compartimentos de um ecossistema, mas em função da forma química como ele está presente, tem-se uma maior ou menor absorção por parte da biota.

Em corpos d’água, a toxicidade de um metal em água varia em função do pH e dos teores de carbono dissolvidos e em suspensão, visto que os metais interagem com o carbono e seus compostos, formando complexos ou sendo adsorvidos (Baird, 2002).

A forma mais tóxica de um metal não é a livre, mas quando este se encontra como cátion ou ligado a cadeias carbônicas. Nos organismos, o principal mecanismo de ação tóxica dos metais decorre de sua afinidade pelo enxofre. Assim, quando presentes em suas formas catiônicas, os metais reagem com o radical sulfidrila (-SH) presente na estrutura proteica das enzimas, alterando suas propriedades, o que pode resultar em consequências danosas ao metabolismo dos seres vivos (Baird, 2002).

Como exemplo, tem-se as espécies químicas de mercúrio. Sua principal espécie catiônica (Hg2+) está associada às partículas em suspensão que se depositarão em sedimentos nos corpos d’água. Nos sedimentos, micro-organismos convertem esse cátion em dimetilmercúrio, Hg(CH3)2, o qual, em função do pH do meio, é convertido em metilmercúrio, HgCH3. Em função de sua lipossolubilidade em ambientes aquáticos, ao passar pelas brânquias dos peixes, o metilmercúrio se difunde e acumula no tecido adiposo, em um fenômeno conhecido por bioconcentração. No interior do organismo, o metilmercúrio exercerá sua ação tóxica, interagindo com os grupos sulfidrila das enzimas.

De forma análoga ao mercúrio, outros metais pesados têm suas formas mais tóxicas quando ligados a grupamentos carbônicos. Outro exemplo é o tetrametilchumbo, Pb(CH3)4, um composto orgânico que já foi muito usado como aditivo da gasolina, mas em função de sua elevada toxidade, deixou de ser utilizado (Moreira e Moreira, 2004).

Impactos causados pelo descarte de metais pesados no meio ambiente

Os metais desempenham funções importantes no metabolismo dos seres vivos. Suas propriedades demonstram-se fundamentais na manutenção da estrutura tridimensional de biomoléculas essenciais ao metabolismo celular. No entanto, enquanto alguns metais são necessários em quantidades mínimas para os seres vivos, outros não apresentam função biológica relevante, podendo causar danos ao metabolismo (Valls e Lorenzo, 2002).

Na Figura 2, é esquematizada a influência da concentração de um metal sobre o desenvolvimento de um ser vivo. Na Figura 2a, tem-se um metal essencial ao organismo, para o qual, inicialmente, o aumento da concentração acarreta melhoria em seu desenvolvimento, que passa de deficiente para ótimo. Entretanto, acima de uma faixa de concentração ótima, o metal passa a exercer uma ação tóxica sobre o desenvolvimento do ser vivo, sendo que há um limite de concentração, acima do qual o metal é letal. Na Figura 2b, tem-se um metal não essencial ao organismo. Para este, há uma faixa de concentração em que o organismo tolera sua presença. Novamente, acima de determinados limites de concentração, este se torna tóxico e, em seguida, letal. É importante destacar que a essencialidade não é característica única dos metais, ocorrendo com outros elementos químicos.

Figura 2. Comportamento de metais no organismo: (a) essencial e (b) não essencial.

Figura 2. Comportamento de metais no organismo: (a) essencial e (b) não essencial.

Para o ser humano, existem 14 metais essenciais: cálcio, potássio, sódio, magnésio, ferro, zinco, cobre, estanho, vanádio, cromo, manganês, molibdênio, cobalto e níquel (Emsley, 2001). Dessa relação, pode-se constatar que até alguns metais considerados tóxicos em concentrações elevadas, como zinco, cobre, cromo e níquel, são fundamentais ao meta- bolismo em baixas concentrações.

A presença de um metal em um corpo d’água pode afetar os seres que ali habitam de duas formas básicas: pode ser tóxico ao organismo ou pode ser bioacumulado, tendo seu efeito potencializado ao longo da cadeia alimentar. A biomagnificação 1 ou amplificação biológica consiste no aumento progressivo da concentração do metal à medida que se avança na cadeia alimentar. A biomagnificação decorre dos seguintes fatores: a necessidade de um grande número de seres do nível trófico anterior para alimentar um ser do nível trófico posterior e o contaminante não é metabolizável, mas é lipossolúvel, acumulando-se nos tecidos gordurosos dos seres vivos. Em função desse processo, mesmo um descarte de um metal em concentração reduzida pode trazer dano a um ecossistema (Braga et al., 2002).

Um evento marcante em termos de contaminação por metais pesados e que exemplifica a biomagnificação foi registrado na década de 1950 na Baía de Minamata (Japão). Nesse local, o contínuo descarte de resíduos contendo mercúrio contaminou os peixes e, em consequência, milhares de pessoas que se alimentavam desses peixes (Baird, 2002).

Os metais podem ser encontrados em despejos de diferentes tipos de indústrias, como mineradoras, galvanoplastia, curtumes e manufaturas de produtos eletrônicos. Em relação aos metais, na Tabela 1, são apresentados os limites estabelecidos pela legislação brasileira para o descarte de efluentes e de potabilidade de água para consumo humano. Apesar dos efeitos tóxicos diferirem em relação às espécies de um metal, a legislação faz menção apenas à concentração total de cada metal.

Como se pode constatar, a legislação não se aplica a todos os metais conhecidos, mas apenas àqueles que são comumente encontrados em águas naturais ou residuárias e que podem acarretar riscos à saúde e ao meio ambiente. Analisando a tabela, observa-se que o mercúrio é o metal que apresenta a maior toxidade, visto que tem as menores concentrações limites, tanto para descarte quanto para potabilidade: 001 e 0001 mg/L, respectivamente. Já o sódio é o de menor toxidade, não havendo limite para descarte em efluentes e sua concentração máxima permitida em água potável chega a 200 mg/L.

Nota

Originalmente, o artigo também apresenta uma análise do conceito metal pesado em livros didáticos e faz considerações a respeito desse assunto como tema contextualizador no ensino de química.

  • Referências
    1. BAIRD, C. Química ambiental. Trad. M.A.L. Recio e L.C.M. Carrera. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.
    2. BARRA, C.M. et al. Especiação de arsênio – uma revisão. Química Nova, v. 23, n. 1, p. 58-70, 2000.
    3. BRAGA, B. Introdução à engenharia ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2002.
    4. BRASIL. Ministério da Educação. Portaria no 366 de 31 de janeiro de 2006. Diário Oficial da União. Seção 1. ed. 23. Imprensa Nacional. Brasília. 01 de fevereiro de 2006.
    5. ______. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio - PNLEM.
    6. ______. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Guia de livros didáticos : PNLD 2012 : Química.
    7. ______. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria no. 518: Controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2004.
    8. ______. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA no. 357: Classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e outras providências. Brasília, mar. 2005.
    9. CARNEIRO, M.H.S. A inovação do livro didático de ciências e a visão dos professores: análise da visão dos professores de um livro didático de química inovador. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 4, 2003. Atas..., Bauru, 2003.
    10. CASSAB, M. e MARTINS, I. A escolha do livro didático em questão. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 4, 2003. Atas..., Bauru, 2003.
    11. DUFFUS, J.H. Heavy metals - A meaningless term? Pure and Applied Chemistry. v. 74, n. 5, p. 793-807, 2002.
    12. EMSLEY, J. Moléculas em exposição: o fantástico mundo das substâncias e dos materiais que fazem parte de nosso dia a dia. São Paulo: Edgar Blücher, 2001.
    13. HAWKES, S.J. What is a heavy metal? Journal of Chemical Education, v. 74, n. 11, p. 1374, 1997.
    14. GUIMARÃES, V. e SÍGOLO, J.B. Detecção de contaminantes em espécie bioindicadora (Corbicula fluminea) – Rio Ribeira de Iguape – SP Química Nova, v. 15, n. 3, p. 254-261, 1992.
    15. LOGUERCIO, R.Q.; SAMRSLA, V.E.E. e DEL PINO, J.C. A dinâmica de analisar livros didáticos com os professores de química. Química Nova, v. 24, n. 4, p. 557-562, 2001.
    16. LOPES, A.R.C. Livros didáticos: obstáculos ao aprendizado da ciência química. I. Obstáculos animistas e realistas. Química Nova, v. 15, n. 3, p. 254-261, 1992.
    17. LUTFI, M. Cotidiano e educação em química. Ijuí: Unijuí, 1988.
    18. MILAGRES, V.S.O. e JUSTI, R.S. Modelos de ensino de equilíbrio químico – Algumas considerações sobre o que tem sido apresentado em livros didáticos no ensino médio. Química Nova na Escola, n. 13, p. 41-46, 2001.
    19. MORAES, E.C.F.; SZNELWAR, R.B. e FERNÍCOLA, N.A.G.G. Manual de toxicologia analítica. São Paulo: Roca, 1991.
    20. MOREIRA, F.R. e MOREIRA, J.C. A importância da análise de especiação do chumbo em plasma para avaliação dos riscos à saúde. Química Nova, v. 27, n. 2, p. 251-260, 2004.
    21. MORTIMER, E.F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n. 1, p. 20-39, 1996.
    22. SANTOS, S.M.O. e MÓL, G.S. Critérios para a avaliação de livros didáticos de química para o ensino médio. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 5, 2005. Atas..., Bauru, 2005.
    23. SCHNETZLER, R.P. Um estudo sobre o tratamento do conhecimento químico em livros didáticos brasileiros dirigidos ao ensino secundário de química de 1875 a 1978. Química Nova, v. 4, n. 1, p. 6-15, 1981.
    24. VALLS, M. e LORENZO, V. Exploiting the genetic and biochemical capacities of bacteria for remediation of heavy metal pollution. FEMS Microbiology Reviews, v. 26, p. 327-338, 2002.
ImprimirImprimir ImprimirEnviar para um amigo
Compartilhe: Delicious Facebook Twitter Digg Google Technorati Live Yahoo
Login
ilustração rodapé
Tema
67367 visitas
Tema
44018 visitas
Tema
40992 visitas
Tema
40632 visitas
Tema
24703 visitas
Tema
22437 visitas
Tema
18528 visitas
Tema
17791 visitas
Tema
15532 visitas
Tema
15429 visitas
Tema
15050 visitas
Tema
14867 visitas
Tema
13552 visitas
Tema
13218 visitas
Tema
13188 visitas
Tema
12949 visitas
Tema
12169 visitas
Tema
10973 visitas
Tema
8388 visitas
Tema
8101 visitas
Tema
6564 visitas
Tema
6160 visitas
Tema
5784 visitas
Tema
5271 visitas
Tema
4562 visitas
Tema
3998 visitas
Tema
2178 visitas
Tema
2026 visitas
Tema
1593 visitas
Tema
984 visitas
Tema
657 visitas
ilustração rodapé
Conceito
49381 visitas
Conceito
48739 visitas
Conceito
39856 visitas
Conceito
34582 visitas
Conceito
31901 visitas
Conceito
26960 visitas
Conceito
25611 visitas
Conceito
23669 visitas
Conceito
19396 visitas
Conceito
18607 visitas
Conceito
15687 visitas
Conceito
15668 visitas
Conceito
13520 visitas
Conceito
13018 visitas
Conceito
12813 visitas
Conceito
11653 visitas
Conceito
10737 visitas
Conceito
10723 visitas
Conceito
10298 visitas
Conceito
10266 visitas
Conceito
10223 visitas
Conceito
9214 visitas
Conceito
6546 visitas
Conceito
6068 visitas
Conceito
6023 visitas
Conceito
4774 visitas
Conceito
4282 visitas
Conceito
4242 visitas
Conceito
2927 visitas
Conceito
2887 visitas
Conceito
1220 visitas
Conceito
835 visitas
ilustração rodapé
Molécula
5806 visitas
Molécula
5761 visitas
Molécula
5631 visitas
Molécula
5480 visitas
Molécula
4828 visitas
Molécula
4141 visitas
Molécula
4065 visitas
Molécula
4042 visitas
Molécula
3997 visitas
Molécula
3563 visitas
Molécula
3135 visitas
Molécula
3105 visitas
Molécula
3098 visitas
Molécula
3086 visitas
Molécula
3069 visitas
Molécula
3031 visitas
Molécula
2902 visitas
Molécula
2847 visitas
Molécula
2736 visitas
Molécula
2687 visitas
Molécula
2678 visitas
Molécula
2573 visitas
Molécula
2533 visitas
Molécula
2493 visitas
Molécula
2481 visitas
Molécula
2455 visitas
Molécula
2446 visitas
Molécula
2362 visitas
Molécula
2350 visitas
Molécula
2350 visitas
Molécula
2323 visitas
Molécula
2319 visitas
Molécula
2286 visitas
Molécula
2274 visitas
Molécula
2269 visitas
Molécula
2266 visitas
Molécula
2257 visitas
Molécula
2206 visitas
Molécula
2188 visitas
Molécula
2176 visitas
Molécula
2161 visitas
Molécula
2143 visitas
Molécula
2142 visitas
Molécula
2113 visitas
Molécula
2107 visitas
Molécula
2104 visitas
Molécula
2103 visitas
Molécula
2085 visitas
Molécula
2062 visitas
Molécula
2060 visitas
Molécula
2053 visitas
Molécula
1994 visitas
Molécula
1988 visitas
Molécula
1958 visitas
Molécula
1931 visitas
Molécula
1928 visitas
Molécula
1920 visitas
Molécula
1875 visitas
Molécula
1862 visitas
Molécula
1828 visitas
Molécula
1820 visitas
Molécula
1794 visitas
Molécula
1793 visitas
Molécula
1760 visitas
Molécula
1748 visitas
Molécula
1707 visitas
Molécula
1697 visitas
Molécula
1692 visitas
Molécula
1677 visitas
Molécula
1672 visitas
Molécula
1667 visitas
Molécula
1645 visitas
Molécula
1643 visitas
Molécula
1623 visitas
Molécula
1618 visitas
Molécula
1614 visitas
Molécula
1591 visitas
Molécula
1572 visitas
Molécula
1525 visitas
Molécula
1516 visitas
Molécula
1510 visitas
Molécula
1494 visitas
Molécula
1494 visitas
Molécula
1490 visitas
Molécula
1483 visitas
Molécula
1478 visitas
Molécula
1469 visitas
Molécula
1468 visitas
Molécula
1440 visitas
Molécula
1437 visitas
Molécula
1409 visitas
Molécula
1376 visitas
Molécula
1366 visitas
Molécula
1314 visitas
Molécula
1301 visitas
Molécula
1295 visitas
Molécula
1251 visitas
Molécula
1250 visitas
Molécula
1233 visitas
Molécula
1230 visitas
Molécula
1224 visitas
Molécula
1223 visitas
Molécula
1222 visitas
Molécula
1160 visitas
Molécula
1143 visitas
Molécula
1137 visitas
Molécula
1112 visitas
Molécula
1096 visitas
Molécula
1085 visitas
Molécula
1055 visitas
Molécula
1053 visitas
Molécula
1041 visitas
Molécula
1040 visitas
Molécula
1013 visitas
Molécula
965 visitas
Molécula
965 visitas
Molécula
906 visitas
Molécula
606 visitas
Molécula
515 visitas
ilustração rodapé
Sala de Aula
9166 visitas
Sala de Aula
8633 visitas
Sala de Aula
7671 visitas
Sala de Aula
6489 visitas
Sala de Aula
6460 visitas
Sala de Aula
5603 visitas
Sala de Aula
4484 visitas
Sala de Aula
3642 visitas
Sala de Aula
3608 visitas
Sala de Aula
3576 visitas
Sala de Aula
3480 visitas
Sala de Aula
3358 visitas
Sala de Aula
3204 visitas
Sala de Aula
3183 visitas
Sala de Aula
2992 visitas
Sala de Aula
2973 visitas
Sala de Aula
2781 visitas
Sala de Aula
2731 visitas
Sala de Aula
2696 visitas
Sala de Aula
2683 visitas
Sala de Aula
2664 visitas
Sala de Aula
2528 visitas
Sala de Aula
2490 visitas
Sala de Aula
2316 visitas
Sala de Aula
2224 visitas
Sala de Aula
2059 visitas
Sala de Aula
1984 visitas
Sala de Aula
1816 visitas
Sala de Aula
1769 visitas
Sala de Aula
1513 visitas
Sala de Aula
1474 visitas
ilustração rodapé
ilustração rodapé
Materiais Associados
ilustração rodapé
Laboratório de Tecnologia Educacional
Departamento de Bioquímica
Instituto de Biologia - Caixa Postal n° 6109
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
CEP 13083-970, Campinas, SP, Brasil

Política de Privacidade